Por Isabela Dahab




"Ela é a sensibilidade de alguém que não entende o que veio fazer nessa vida, mas vive."

 Caio Fernando de Abreu


_______________________________________________________________________________________________





Leveza

Imagem: we heart it
Eu penso todo dia que você merece mais do que eu posso dar, mas quando lembro de como sou com você, sei que sou exatamente como queria ser com alguém e recebo exatamente o que queria receber. Você me faz feliz e meus olhos brilham quando faço seu nome, vejo nossas fotos, o quanto fomos feitas uma pra outra.
Não tenho dúvidas que você me faz ser uma pessoa melhor, mais feliz, com mais vontade de viver, com vontade de ser mais e mais.
Tem sido minhas mais belas poesias e tem feito dos meus dias mais ensolarados, mais frescos, muito mais bonitos e agradáveis e agora não quero que saia da minha vida, já me acostumei com tamanha beleza, com a delicia de sentimentos que agora vivo.
Você pega meus medos e os transforma em insignificantes, eles viram nada, são apenas um pingo d'água e a cada dia que passa, me venço e esses medos só diminuem de tamanho e assim, vou te querendo mais e mais por perto, pra me vencer, pra continuar sendo feliz e segura.
Você tem sido meus sorrisos mais puros, minhas sensações mais intensas e sinto que agora sou cada dia mais leve.
Leveza é o que procurava.





Nota sobre a vida com você


Fotografia: Flávia Maria

Tudo tem sido mais fácil, mais simples e mais tranquilo. Claro que isso não vale pra minha mente, ela continua com as mesmas estranhezas de sempre, mas já começo a me acostumar com isso.
Tem sido engraçado ouvir todas as músicas que me trouxe, elas são a descrição do seu papel na minha vida, quando não está comigo, elas estão me falando sobre você e estou pensando em quando vamos estar juntas novamente.
Não vou mentir que é bem doloroso sentir tanto sua falta, você desorganizou todo meu coração e minhas ideias sobre o amor, que bom!
E mais engraçado que qualquer outra coisa é me ver amando e saber que ela merece cada centímetro de meus sentimentos. Ah! se eu pudesse mudar alguma coisa, mudaria! Falaria mais o que sinto, diria mais o que ela tem sido pra mim, mesmo quando faltam as palavras, mesmo quando ela não está.
P.S: Tenho querido me casar, isso basta!

Me ensina a não temer tanto


Imagem: We heart it
Eu choro todas as noites por medo disso não dar certo por culpa de meus outros medos que insistem em voltar. Já estou cansada de ter que lutar todos os dias pra conseguir levantar e sair pra qualquer lugar. Podia ser tão mais fácil, só sair, sem medo nenhum do que pode haver lá fora.
E meu medo maior agora é não conseguir sair daqui pra te encontrar, como eu queria que fosse.
Eu choro todas as noites por medo disso não dar certo por minha culpa.
Nunca quis tanto alguém como te quero, nunca senti coisas tão confusas como sinto com você e agora me vejo assim, com dois caminhos tão opostos em minhas mãos e não gosto de ter essas opções.

Eu choro todas as noites por medo disso não dar certo e a culpa ser dos meus medos.
Queria que fosse tudo tão mais simples, podia não haver medo, só a coragem e tudo ser tão natural, sem essa construção da coragem com antecedência pra ver se funciona até chegar o dia de te encontrar.
Eu sei que vou conseguir, só queria que a dor fosse menor pra chegar até você.
Eu choro todas as noites por medo disso não dar certo por minha culpa. Nunca quis tanto alguém como te quero, nunca senti coisas tão confusas como sinto com você e agora me vejo assim, com dois caminhos tão opostos em minhas mãos e não gosto de ter essas opções.

Eu choro todas as noites por medo disso não dar certo e a culpa ser dos meus medos. Você chegou de um jeito tão tranquilos, acalmando meu coração e me cobrindo de ansiedade a espera de um novo encontro.
Só quero poder estar sempre com você com toda a facilidade que houver, pra poder ser companheira, ser por inteira.
Eu choro todas as noites por medo disso não dar certo por minha culpa. Nunca quis tanto alguém como te quero, nunca senti coisas tão confusas como sinto com você e agora me vejo assim, com dois caminhos tão opostos em minhas mãos e não gosto de ter essas opções.

Me ensina a não temer tanto.

Sobre chegadas e partidas


Doeu menos do que havia pensado, mas o aperto no meu peito foi maior e a vontade de chorar infinita. Comecei a pensar que devo aprender a lidar com isso, serão muitas chegadas e partidas ainda e isso será bom pra nós.
Você veio devagar, mudou toda minha vida e foi embora.
Será assim cada vez que te ver, será assim sempre que estivermos juntas.
Quero que mude sempre minha vida, assim como mudarei a sua.
Só não quero te ver partir tantas vezes, machuca.
Não vejo o dia de você vir não precisar mais voltar, que faça da minha casa, o nosso lar.



Nota sobre bexigas, borboletas e temores.
Sem deixar de estar de costas.



Imagem We heart it
Não tem gingado. Mora longe. Chata. Neurótica. Fumada. Inteligente. Olhos de jabuticabas. Bochechas grandes. Tagarela.
Sinto-me com borboletas no estômago por isso tudo ainda.
Minhas borboletas se acalmaram, as bexigas não estão mais sufocadas e voam agora num sentido único e numa velocidade tranquila no céu dentro de mim, o que me deixa mais feliz, mas o que continua me deixando vazia de expressão.
Esse vazio é mais por não ter nada concreto do que dizer sobre ela.
É essa distância ridícula que insiste existir.
O mais concreto é que essa distância parece que pode acabar em poucos dias e que durará menos tempo do que esse de espera.
Não não, isso não é  um problema pra mim, nunca foi e não é agora que vai mudar, só tenho muitos medos!
Temo que o tempo voe demais nesses poucos dias que a terei comigo, como está voando ultimamente.
Temo ela não querer mais voltar.
Temo que ela não me queira por lá.
Temo pela minha vaidade.
Temo pela distância.
Temo pela minha dificuldade de expressar o que sinto por ela, diretamente.
E eu que sempre me senti extremamente segura com tudo, agora estou aqui repleta de temores. Que bobeira!
Pra que esses temores passem, vamos borboletas, me ajudem, voem enlouquecidamente e sufoquem minhas bexigas pra que eu queira vomitá-las e que elas não saiam, que me afoguem em minha própria respiração ofegante e borbulhando segurança.
Vamos, borboletas! Quero sentir vida em meu estômago que nem parece mais estar apodrecido.
Bexigas, sintam-se livres e não sigam mais a regra, voem voem voem em meu céu sem medo de me sufocar!
Que chegue a próxima semana, trazendo minha segurança de volta. Que chegue a próxima semana trazendo vida pra essas bexigas obedientes.
Que ela chegue na próxima semana me trazendo momentos.



Sobre bexigas e borboletas
(ainda de costas)

Imagem: we heart it
Bexigas que voam em meu peito, expulsas por borboletas enlouquecidas que vivem num estômago quase apodrecido de tanta dor e medicação, me incomodam por não voarem num sentido único e numa velocidade tranquila.
Me deixam desnorteada com tanto movimento e vazia de expressão.
Não é fácil descrever a sensação de ter bexigas voando no lugar de seu coração.
Sinto que elas tem, nas cores, uma grande variação.
Azuis, vermelhas, verdes, rosas, roxas, laranjas, mas principalmente amarelas.
Tenho uma grande quantia de bexigas amarelas voando em mim.
Uma delas foi esmagada pelas outras tantas e parou na garganta, querendo ser cuspida ou se transformar em vômito, mas não sai. Isso pode ser, simplesmente, desorganização sentimental e só existe essa opção.
Ah! borboletas tão desobedientes e desnorteadas, culpo vocês por entalarem essa bexiga que não sai de jeito nenhum, ela não vira palavra, não vira gesto, não vira nada. Gosto de vocês estarem aí, borboletas, mas não produzam esse excesso de bexigas sem que preparem minha garganta para vomitá-las esporadicamente.
Quanto a vocês, bexigas, voem com menos ansiedade, com menos velocidade, mas voem em mim! E quanto as esmagadas, que estourem ou saiam sem medo do que pode haver lá fora.
Bexigas de ansiedade produzidas por borboletas apaixonadas (?).


De costas III

Por algumas horas andamos de frente pro mundo. Juntas. Mas não era esse mundo.
Não existiam ruídos que não fossem os nossos, respiração que não fosse a nossa, movimento que não fosse esse nosso, não existiam pessoas que não fossem nós duas.
Por algumas horas eu estive em outra dimensão e você esteve comigo.
Poderia hoje te descrever exatamente cada detalhe de como foi andar de frente, mas foi tão abstrato que preciso provar novamente pra ter a certeza do que te dizer. Não quero falar bobeiras.
Mas talvez eu possa dizer que foram horas que me transformaram, que me fizeram repensar nas sensações que eu tive durante toda a vida e, ao tentar compará-las, descobri que não existem comparações quando se muda o sentido do caminhar.
Pretendo te afirmar que poderia ter ficado muitas outras horas ali, como eu queria que fosse. E também poderia dizer que fui sem pensar no que pudesse acontecer e não esperava que você seguraria minhas mãos e andaria de frente comigo. Eu queria, mas não esperei.
Acho que poderia te dizer também que há muito tempo não sentia vida correr em mim e que não poderia ter sido melhor que isso. Sentir vida correr é muito importante pra mim.
Talvez eu até me arrisque em dizer que foram as melhores horas dos últimos tempos e que conseguimos desconstruir toda a verdade sobre a passagem do tempo. Nunca senti a hora voar como naquela noite.
E talvez eu encerre nossa conversa com um beijo, olhando bem pro fundo das tuas pupilas dilatadas e sentindo aquele cheiro de vinho que exalamos na noite, sentindo tuas costas suando e aquecendo teu corpo gelado, um beijo bem lento, bem calmo, pra sentir bem o sabor que sua boca guarda e levar como uma recordação das melhores horas, enquanto suas pequenas mãos correm por minhas costas quentes por abrigar seu corpo com conforto.
E antes de sair da próxima vez, te deixaria um bilhete pra dizer que naquela noite sonhei com você e que seus olhos ficam ainda mais lindos de manhã e que queria ter aproveitado deles, mas o tempo não permitiu. Eu culpo o tempo.
Quem sabe um dia eu me arrisque a dizer tudo isso pra você? Mas por hoje te enviarei um "boa noite" e, apesar de desejar, tentarei não esperar que essa magia aconteça novamente. 
Quero andar de frente com você.


De Costas II


Imagem: weheartit
Uma vez você me disse que nada daria certo, pois eu estava sempre andando do lado errado.
Descobri que o lado errado era, na verdade, andar de costas pro resto do mundo e não achei tão errado assim.
Depois de muito tempo entendi que era meu lado certo e que precisava encontrar pessoas que andassem do mesmo lado que eu, só que no sentido contrário, pra que pudesse olhá-las nos olhos e vê-las afastando de mim (era mais sensato e menos romantizado poder ver a distância acontecer).
Não acreditei que encontraria muitas pessoas de costas pela rua, mas muita coisa tem mudado de lá pra cá.
Você continuou de frente e encontrou pessoas que também estavam de frente e eu continuei de costas...
E decidi continuar de costas pra poder, enfim, aceitar o fato de que devia encontrar mais pessoas como eu e que não seria a única a andar de costas pela Terra.
Se nos encontrarmos, será como um primeiro dia numa casa nova. Naquela casa que se sonha a vida inteira, planejando cada detalhe, mas nem você mesma acredita que aquilo poderá se tornar real um dia e de uma forma mágica, se realiza.
Se nos acharmos no meio do caminho, é a única chance que tenho de andar de frente, é a única chance que você tem de andar de frente.
Com alguém do lado, deve ser bom mudar o sentido do andar.
Assim, mudamos o sentido da Terra girar.



De Costas I

De costas, tudo está mais colorido.
We heart it
Ando de costas pra sentir a Terra girar pro lado contrário.
Ando de costas pra ver menos rostos, menos olhos.
Ando de costas pra ver se dá sorte, se traz esperança.
De costas, vejo bolhas de sabão, vejo cores e rebolados.
De costas, não me envolvo, não me importo.
Ando de costas pra Terra me dar as mãos e mudar o sentido.
Ando de costas pra Terra me dar as mãos e fazer algum sentido.
Ando de costas pra te encontrar pelas ruas, já que está sempre no caminho contrário.
Assim não te perco, não desapareço e ainda te vejo.
De costas, o mundo fica menos pesado.
De costas, reparo se você realmente não tem aquele gingado.
Ando de costas pra dar tempo de pegar suas mãos se passar por mim e não ver.
Ando de costas pra encontrar algum sentido em estar nesse planeta e não estar com você.



Não culpo você.


Você é um poço de loucuras e sentimentos afobados e abafados pelo calor que tem em mãos.
Não aprendeu a respeitar sua própria mente e coração.
Ando fugindo sim, de suas armadilhas impregnadas de sangue e cheirando a suor, detesto!
Tenho estado longe de tudo, longe de todos, mentalmente longe
Agora eu só tenho tempo pra mim e pra minha vaidade insana e infeliz, que me consome lentamente e destrói a pouca dignidade que tenho.
Me irrita cada palavra que sai de sua boca e a maneira que você lida com elas, me manipulando e fazendo com que a culpa se torne minha, você faz isso todo santo dia.
Que culpa tenho eu de não conseguir te dar mais que isso? Que culpa tenho eu de não ser suficiente? Que culpa tenho eu se me interesso por outra? Que culpa tenho eu se nas poucas chances que te dei, me decepcionei?
Não tenho culpa por sua infelicidade e insatisfação para com a vida, não tenho culpa da tua loucura e, muito menos de não querer te dar nada mais que isso.
A culpa não é minha, mas não culpo você.

Dos olhos


Fotografia: Gabriel Rachid


Seus olhos assustados, grandes e atormentados que me engolem e me expulsam incontáveis vezes numa noite quente e agitada como essa, prendem meu olhar e me mantém atenta à você. E se controla com meus beijos calmos pra te perceber e pra que me perceba e sinta a batida leve de meu coração que só se acalma com sua presença e não deixo ferver nunca. Quando ferve, é uma vez e nunca mais. Não ferve ainda.
Evito que ferva antes da hora, evito que ferva em breve, evito pra viver disso mais tempo, não pode ferver.
Você reclama e me cobra de algo que, se eu te der, vai acabar imediatamente.
Não cultivo fervores.
Não gosto de fervores.
Fervor só me gasta uma noite. Não quero uma noite.
Quero manhãs acordando ao teu lado.



Simples

Weheartit
Num domingo de verão qualquer, ela lia seus livros debaixo da laranjeira.
Numa segunda qualquer, ela corria pelo parque pra se sentir mais livre e pura.
Numa terça qualquer, ela se recolhia pra refletir sobre a liberdade.
Numa quarta qualquer, ela estudava durante todo o dia.
Numa quinta qualquer, ela se vestia e saía decidida a ser feliz.
Numa sexta qualquer, ela só sorria e sentia vontade de voar.
Num sábado qualquer, ela se deitava na rede pra pensar em como tudo poderia ser melhor, mas não poderia.
Durante toda a semana ela só levantava com a intenção de vencer a si mesma e se recebesse um sorriso qualquer, venceria; se conseguisse pisar descalça na grama, venceria; se conseguisse acordar cedo, venceria; se conseguisse ficar fora de casa, venceria; se conseguisse dançar, venceria; se conseguisse ver o mar, venceria.
Era um dia de cada vez, sem pressa, sem ansiedade, sem pressão.
Durante toda a semana, do jeito mais simples, ela vencia e não percebia.



Em processo de esquecimento II


We Heart Ir
E então, numa noite quente de janeiro, depois de ter chorado por receber sua mensagem desejando que eu ficasse bem, como você está, peguei o pingente dourado de estrela, aquele único objeto que não tinha sido jogado fora e o libertei de meus sentimentos sombrios.
Beijei-o com carinho, apertei-o contra o peito, me lembrei de nossa música, cantei-a olhando para as poucas estrelas que haviam no verão chuvoso.
Não foram fáceis esses meses sem você.
Mas você me machucou tanto e continua me torturando tanto, continua me tirando o chão por tantas vezes que eu mesma me cansei de você.
Naquela noite, juntamente com todo o amor que tinha por você, fui até a varanda, segui todo este ritual e joguei, com toda a força que havia em mim, o pingente.
Chorando, ouço, muito de longe o estalo de metal caindo sobre o asfalto, impenetrável, duro, quebrando minha estrela em míseros cacos, agora espalhados pelo chão e já sem nenhum brilho.
Tortura era estar sem você com uma parte do 'você'.
Não há tortura mais.
Sinto que agora posso sorrir aliviada.


Estável 


Weheartit
Enquanto falava com você por mensagens intermináveis e diarias, me fotografavam.
Enquanto falava com você por ligações extensas e, as vezes, intensas, me indicavam o caminho contrário.
Tinha tanta coisa pra te dizer enquanto aquele clima existia, tantos lugares pra te levar, tantos pensamentos a compartilhar e, tínhamos muita coisa pra concluir.
Não sei se coloquei um ponto final.
Sei que você colocou.
Sei que há um ponto.
Não sei onde ele foi colocado, só se que ele existe.
Mas não me interessa, se existe ou não esse ponto, se ele foi reticências, não saberei.
Você me fez concluir sozinha, viajar sozinha, pensar sozinha e escrever sozinha em folhas rabiscadas pelo teu lápis colorido. Que bom que o lápis tinha cor, pois era a única cor que eu enxergava.
Você foi um furacão, uma tormenta que passou, virou tudo, mas com o tempo, foi desvirando e fui sendo exatamente quem eu deveria ser com ou sem sua presença.
Você não mudou minha vida, mas eu desejei mudar a sua.
Você não transformou nada em mim, mas eu desejei transformar em você e desejei que você tivesse me transformado.
No fim, tudo aconteceu e nada se transformou em lugar nenhum, nada mudou - onde chovia continuou chovendo e eu continuei me protegendo dessa chuva;
onde ventava continuou ventando e eu continuei me protegendo desse vento.


Anestesia



Weheartit
E desde que você se foi, tenho sentido o cheiro dos domingos mais acentuado, os papéis ficaram amarelados, as fotografias permaneceram rasgadas na gaveta e a solidão foi a única que permaneceu intacta.
Sim, a solidão já existia. Ela sempre existiu, eu só tinha aprendido a ignorá-la.
Com você do meu lado era mais fácil de acordar e saber como seria meu dia, se eu te veria, se faríamos alguma coisa, era cômodo, era fácil, era simples, eu não estava no controle, você estava.
Bem, as coisas continuam simples, mas agora eu me sinto no controle de algo, sinto meus músculos pulsarem no olho esquerdo, o estômago gritar de dor todas as manhãs e tenho a caixa de entrada do celular vazia. Não que isso faça diferença. Não faz.
Andei pensando em adotar um diario, em desenhar o que sinto, em produzir qualquer coisa que expresse esse vazio, mas entre essa necessidade e o fazer, tem um abismo gigantesco e um vazio maior ainda.
Dói, dói sim. Mas o tempo dói mais, a rotina dói mais, alguns sorrisos doem muito mais. Seu sorriso dói ainda mais.
E quanto mais te escuto rir, mais eu choro.
Talvez sejam lágrimas de limpeza.
Talvez sejam lagrimas.
Talvez sejam.
Talvez.
.

Talvez não seja nada disso. Talvez eu nem sinta. Talvez isso seja sintoma de anestesia.



Em processo de esquecimento



Fotografia: Lais Nunes
Eu precisava de um tempo pra definir o que sentia, mas aquela quantia de nuvens não me permitiam...

Precisava deixar de ser dois e ser apenas quem sou.
Quando isso acontece, percebo o quão diferente eu sou.
Talvez eu me deixe influenciar por amar demais, intensificar demais.
Esse porre me esclareceu muita coisa.
Joguei tudo o que me deu fora, tudo o que era seu, foi pro lixo.
Só sobrou um pingente dourado, com uma estrela brilhante, o primeiro presente.
Tentei jogá-lo diversas vezes, mas não consegui.
Talvez ele seja a melhor lembrança, a melhor época, a melhor fase.
Talvez ele seja a única verdade que existiu entre nós.
Eu tinha começado a esquecer, mas sem que eu procure, você aparece através de ligações, televisão, sons e mensagens de texto. Mesmo não vindo de você, vem de pessoas que não desvincularam nossos nomes ainda, o que é compreensível.
O tempo nem passou e eu quero que todos se esqueçam dos últimos seis anos que se passaram?
Nunca senti essa dor antes, talvez essa seja a dor do definitivo.
Porque dessa vez é definitivo, mas é definitivo porque você quis assim.
Mesmo que queira voltar, com tudo o que senti, com o que estou passando, não posso mais te aceitar. Nunca mais!
Te joguei fora da minha vida e só deixei a única verdade existente, aquele pingente mágico de dois meses de namoro.
A culpa não foi nossa, foi do tempo que insistiu em nos arrastar até aqui, pra algo que sabíamos ser destrutivo, que sabíamos ser afiado e nos deixamos sangrar. Não foi o amor que acabou, não foi o desejo por terceiros que apareceu, foi o tempo que tirou todo o vigor, todo o desejo e apenas nos mostrou toda a diferença existente.
Você acha que foi pra longe estando com outra na praia num feriado tão curto? Prefiro deixar o tempo passar, as coisas se acalmarem em mim e ir pra longe mesmo, sair de qualquer lugar onde você possa me alcançar com seus pensamentos, com sua voz ou palavras escritas. Porque é fácil sair da cidade pra esquecer. Difícil é sair do país simplesmente pra voltar a viver.
Você me deixa trancada em casa por medo de te ver na rua, você sempre soube disso. Sabendo que está longe não fica mais fácil, não fica mais simples, minha cama continua sendo o lugar mais seguro.

... Quando as nuvens se foram, percebi o quanto de amor ainda sinto, mas que o desprezo e, talvez, o nojo tenham superado tudo de bonito que havia.


Tempo



Maldito seja o tempo, nos afasta de onde não queremos.
Maldito seja o tempo, nos afasta de quem não podemos.
Malditos sejam os anos, voam e nem percebemos.
Maldita a idade que nos separa de algo que não entendemos.

Mas bendito seja o tempo que nos eleva, que nos realiza, que nos transborda, que nos evolui.
Bendito seja o tempo, que passa deixando saudade.
Bendito seja o tempo que nos faz querer reviver coisas do passado.
Bendito seja o tempo que passa e deixa marcas que nunca serão apagadas.

Mas maldito o tempo que mata as flores.
Maldito o tempo que destrói os rostos.
Maldito o tempo que esfria o café.
Maldito o tempo que apodrece as maçãs.

Bendito o tempo que cessa dores.
Bendito o tempo que arranca os rancores.
Bendito o tempo que nos faz ver melhor.
Bendito o tempo que nos salva de nós.

Maldito seja o tempo.
Bendito seja o tempo.



Em você




WeHeartIt
Só uma palavra descreve:
DELICIOSO.
Nada mais delicioso que deitar em seu ombro e ficar atenta à frequência de sua respiração e o movimento de seu seio subindo e descendo. Você leva 3 segundos inspirando e 4 expirando.
Sem contar sua frequência cardíaca em meu ouvido como fortes cavalgadas em meio o mar, pois posso ouvir sua saliva descendo grosseiramente.
Talvez isso ocorra por eu estar por perto ou talvez você tenha mesmo grande dificuldade em engolir, respirar e sofra de arritmia.
Continuo debruçada em seu ombro e só saio para escrever uma linha por vez dessa folha toda riscada de azul.
Te sinto sorrir discretamente, sem querer que eu perceba seu músculo mover delicadamente.
Sorrio pra que você sinta que eu percebi e me levanto para terminar minhas palavras em você. Penso: "Você é tudo o que sempre quis."


Primeiro pedaço



É, mais um ano se passou ...
Nunca me senti merecedora de comemorar uma data que marca tantas coisas ruins também.
Foram dois anos sem poder comemorar como eu gostaria, não porque não merecia, mas porque não tinha condições físicas e psicológicas pra isso.
Nos ultimos seis meses, eu não esperei.
Não esperei por nada, por nenhum milagre, por nenhuma palavra, por nenhum sentimento.
Eu só vivi e deu certo.
Fui fazendo o que me dava vontade sem me privar de coisa alguma e funcionou.
Agora sinto que posso comemorar, que devo, que mereço!
Tenho quase tudo o que queria, mas isso é o de menos, eu estou viva, eu respiro e ainda amo.
Aliás, sobre o amor, não estaria aqui se não fosse ele. E meu primeiro pedaço de bolo é meu e isso não o torna menos importante.


Lacinhos


Biscoitinhos recheados em potinhos de vidro requintado e lacinhos rosados e delicados, é isso o que ela tem pra te oferecer. Isso é o suficiente pra te conquistar?
Me diz se você é tão fácil ou se o que sente é tão forte assim.
Que supérfluo! Que vazio!
Seu amor é fluido, ele passa, navega, corre a favor da correnteza e você corre atrás, com seu corpo já tão cansado das surras que a vida te deu, até que se dissipa e você chora sem razão alguma.
Corre atrás de uma esperança inexistente, corre incansavelmente, chora mais e logo, desiste.
Desiste e fica comigo, de novo.
Se eu te der biscoitinhos, haverá reciprocidade?


Preciosa


Platinaline
Porque eu gosto desse seu jeito leve, desse enorme sorriso que nunca sai dos teus lábios, tão macios e adocicados pela quantia de açúcar que ingere ao longo do dia, sem engordar uma grama sequer.
Gosto ainda mais de seu olhar, que me olha admirado pelo simples fato de ser como sou, pela minha notável delicadeza e sensibilidade.
Não que você não seja delicada, você é, mas é grotescamente delicada, é simples, é fácil. 
É muito fácil falar com você, beijar você, abraçar, sorrir, chorar. 
É muito fácil ser eu mesma ao teu lado. 
Eu, definitivamente, não te amo, mas gosto de você e gosto de quem sou quando estou com você,  pois é uma das raras vezes que sou exatamente essência e nada mais. 
E é tão simples estar aqui, escrevendo sobre você. E desejando estar aí com você pra viver essa facilidade e essa simplicidade. 
Só desejo, não espero. 
E preciso te ver, pra você me apertar contra seu colo, me olhar nos olhos e com o seu sorriso, fazer meu sorriso mais sincero se abrir vagarosamente e me fazer querer mais dessa dose de carinho e amizade.
É tão fácil. 
É tão simples. 
E é tão você.

A Estação




WeHeartIt
Chegadas e partidas.
Lágrimas e sorrisos.
Abraços e beijos.
Sempre muita saudade.
Mulheres com seus vestidos longos e pesados.
Homens com seu terno e maleta.
Quantas cartas de amor foram entregues? Quantas não foram?
Quanto amor não realizado pela distância? Quantos realizados depois de passar pela distância?
Quantos destinos separados pela estação ferroviária? Quantos unidos?
Mocinhas voltando pra casa com seus vestidos apertados, secando as lágrimas com seu lencinho rosado.
Mocinhos esperando sua amada voltar da capital para que, enfim, possam se casar, como o prometido.
Quanta elegância, quanta pose, quanta esperança.
Quanto desamor, quanto sofrimento, quanta doença.
Que melancolia essa ferrovia, que melancolia tanta fumaça.
Que melancolia é o amor ... Que nostalgia!
Porque meu amor é só melancolia. Meu amor é nostalgia.


Rosas


Flickr da Flor

Rosas, essas pessoas que entram naquela delicadeza plenamente perceptível e saem naquele espinho imperceptível aos olhos.
Vão espetando pouco a pouco seus sentimentos e ferindo seu coração e razão e você nem percebe.
Claro! aquele cheiro maravilhoso que ela passa, te enfeitiça o suficiente pra que você não perceba o estrago feito. Aliás, esse cheiro das rosas atormentam e enlouquecem de amor, de paixão, aguça os sentidos e faz desistir de toda e qualquer tentativa de escapar desse encanto.
Rosas traidoras, rosas da morte, nos atingem em silêncio e não nos deixam partir nunca.
Rosa, me deixe sair e me tranformar no cravo que sempre quis. Seu amor e encanto me deixaram assim, preciso partir, outras rosas esperam por mim.


Seu choro



Seu choro é um mar de emoções, de dores inalcançáveis, de sorrisos desnecessários.
Seus olhos marejam pelo desconhecido e cada lágrima vai correndo, solitária, por suas maçãs tão brancas e avantajadas.
Me confundo e não reajo, só penso se, por ventura, deveria te ajudar e, na realidade, não sei como fazê-lo, nem quero.
Vejo cada fio de seu cabelo grudar em suas lágrimas e, desesperadamente, me perco nos sentimentos que vejo em você e o quanto tenho de você em mim.
Sentir que sua dor me dói é dor maior ainda. Me perco em seu choro.
Mais uma vez me prendo nesse teu olhar tão parado e sem vida.
Gosto de suas lágrimas, não por serem da dor que lhe causaram, mas porque a cada lágrima que escorre é uma vida a menos em teu olhar e é esta falta de vida que me encanta, me espanta e me enlouquece ainda mais.
Mantenho minha atenção presa a você e, mesmo que não seja recíproco, continuo a me encantar pela dor mais do que deveria, mais do que gostaria.
E não deveria.

Numa invenção



Pego minhas sapatilhas, visto meu colant, prendo os cabelos e saio.
Me alongo, me preparo, deixo de sorrir e me concentro.
Seguro na barra e me contraio, treinando sem parar cada movimento com leveza.

Paro.

Me olho naquele espelho mentiroso.
Não vejo nada.
Meu corpo em explosão, meus olhos num vazio que até eu mesma desconheço.
Vazia de qualquer sensação senão o cansaço.
Vazia de qualquer sentimento senão o desamor.
Não que eu queira sentir algo, mas eu preciso acreditar que um dia sentirei.
Sentirei qualquer coisa, da raiva ao mais puro amor.
Da paixão a desconfiança.
Qualquer mísero sentimento.
Enquanto eles não vêm, vou organizando ainda mais minha vida patética e me privando das poucas sensações que vivo.

Eu minto.

Numa invenção, isso tudo seria verdade.
Numa invenção, nada disso existiria.


E são só os seus olhos



Não me olhe com esses olhos, se procurando em mim antes de me beijar. Não me olhe assim, me faz tão triste, me acaba, me destrói. Me encontre em você e me beije sem problemas. Me toque sem problemas, mas tem que ser a mim e não a si. Seja fiel a mim e não se beije com meus lábios e língua.

Seu beijo é tão envolvente e não quero perdê-lo tão cedo, me beije todo dia, me beije toda hora, me beije na despedida, me beije na entrada, mas me beije. Preciso do teu beijo, como vício que não controlo mais.
Troquei meu cigarro todas as noites por seus beijos, mais saudáveis, mais gostosos, mais macios e mais cheirosos, com o cheiro do seu chiclete e da minha bala. Mas quero o sabor do seu corpo em minha boca e o sabor do meu em você, por completa. Quero te levar pra cama e te fazer a mulher que ninguém fez, quero te ensinar o valor do beijo e de cada outro sentido.

Não é tão simples assim beijar, não pra mim, ele tem um valor e você pode descobrir qual é, se quiser estar comigo. Eu posso te ensinar mil coisas e aprender mil coisas com você. Podemos discutir política e filosofia até a madrugada, até o sol aparecer e termos que tomar nossa xícara de café fervente pela manhã antes de sairmos pro trabalho.

Eu te ensino um mundo de sensações e você me ensina a desprezar tudo o que eu acreditava existir. Faremos parceria, troca, debates e amor no edredon. Seríamos tudo o que a outra quer, se é que você quer alguém assim, eu não sou do tipo que abaixa a cabeça e não discute sobre o que acredita.

Te levo pra jantar, cozinho pra você, abrimos os melhores vinhos e tomamos enquanto discutimos sobre aquele livro que te emprestei e você nunca mais me devolveu porque não consegue parar de ler. Tomamos o café pra encerrar o jantar e vamos pra cama discutir sobre amor, sobre sexo, sobre sentimentos. Te ensino outras sensações e você me ensina a desprezar tudo o que te ensinei.

Fica combinado assim? Você me encontra em você e vem pra mim por inteira, por completa e começamos o que não devia nem ser combinado, simplesmente tem que acontecer, serei sua e você minha, por tempo indeterminado, sem prazo de validade.



Descrição do tempo



Fotografia: Flor de Azeviche
http://www.flickr.com/photos/frodeazeviche/
Me arrumei, coloquei meus anéis mais incríveis, minha pulseira da sorte e pintei as unhas.
Sentei na mesa. Sozinha.
Peguei minha xícara de café bem quente.
Mexi e mexi até sentir que o tempo passou e eu ainda estava lá, na mesma posição.
Não queria sentir o sabor daquele café, queria sentir seu cheiro e observar como sua textura mudava com o tempo.
Ele já não estava espumoso, virara água de tão claro.
Acendi meu cigarro pra melhor acompanhá-lo e pra perder mais tempo ali sozinha.
Eu não queria fumar. Eu queria a solidão do café e a companhia do cigarro.
Esperei esperei esperei.
E não esperei nada acontecer.
A fumaça do cigarro já diminuira e o aroma do café, ah! esse já nem mais existia.
Fui acabando e deixando de existir com eles.
Meu tempo já tinha passado, meu café estragado, meu cigarro apagado e meu sorriso acabado.
Tudo como queria e nada como o planejado.
Sem café e sem cigarro eu já não podia viver como quem vivera todos os outros dias.



Ponto e vírgula



Fotografia: Carol Cursino
Ponto e vírgula;
Era o que ela mais usava quando escrevia,
Ponto e vírgula;
é o que ela fazia com sua vida.
Deixava sua vida em "Ponto e vírgula"
por saber que ainda acrescentaria mais alguma coisa.
Por sentir que só aquilo não a satisfaria amanhã.
Esse foi o modo mais simples de aceitar que sua vida seria sempre assim,
De se conformar com aquele medíocre pensamento de onde mora.
Tomada pelo ódio, ela escrevia.
E era só o que fazia.
Naquele dia ela se sentia como um côco seco, rachado, jogado ao chão, no meio do nada.
E sempre que ela se sentia assim, pegava seu livro, uma água de côco e
saía em busca de algo que pudesse complementá-la.
Naquele dia ela não encontrou nada que a complementasse,
mas encontrou algo que não conhecia,
aquela menina encontrou uma paz interna, uma paz infinita,
uma tranquilidade que desconhecia.
Ela não precisava de mais nada, ela não queria sair dalí,
ela era vazia, mas aquela paz a deixava com um vazio que a satisfazia
e isso era tudo pra ela.
Ela não podia ficar eternamente ali, mas podia voltar sempre e foi o que ela fez,
se reencontrou durante toda a vida com seu vazio, até que seu vazio se tornou completo
e ela pode ir tranquila pra não mais voltar. E não mais voltou.
E agora só há imagens e lembranças de uma menina com seu livro e seu côco no mesmo lugar em que me encontro agora.








Brinquedo



Fotografia: Carol Cursino
Perdida pela vida, encostando em cada parede para respirar.
Suas tonturas já são frequentes, mas ela não tem problema com a saúde,
ela tem muita informação, ela tem muitos pensamentos, milhões de tormentos.
Ela é falsa, ela é dissimulada demais pra dizer uma palavra verdadeira.
Ela mente, mente pra si mesma, tentando acreditar ser o que não é e não tem possibilidade de ser.
Talvez ela realmente acredite ser aquilo tudo, viver aquilo tudo.
Talvez eu nunca vá saber.
Talvez ela nunca saiba também.
Talvez a vida brinque demais com ela
ou talvez ela brinque demais com a vida.
Mas ela não liga de ser brinquedo e de brincar,
ela não se importa com nada,
não se importa com ninguém.
Ninguém nunca sabe o que acontece nesse olhar parado e tão vazio,
mas ela não liga, lembra?
Ela deixou de existir e passou a viver.
Tem seu jeito muito particular e é isso que a diferencia, ela sabe rir sozinha, falar sozinha, viver sozinha,
está sempre sozinha, mas sempre acompanhada por todos os seus tormentos e sem eles ela não vive.
Ela passou de interrogação à ponto final.
Ela decidiu viver assim.
E vive.



Meu pecado



Fotografia: Flor de Azeviche.
Mais fotos da Flor: http://www.flickr.com/photos/frodeazeviche



Sempre gostei de maçãs, assim como sempre gostei de flores.
Essa noite sinto cheiro da flor mais pura,
o sabor da maçã mais fresca,
 tenho a sensação de estar pecando quando provo o sabor de sua boca
e quando sua boca prova o sabor de meu corpo,
já quente e cheirando a flor.
Já é primavera e a maçã começa a cair,
não a deixarei apodrecer, comerei a maçã como se fosse a última.
Saboreando-a lentamente;
Tocando-a com a delicadeza de minhas mãos tão brancas.
Ouvindo-a. Cheirando-a. Beijando-a.
Provando o sabor de sua curva, de cada curva.
Salivando e a admirando.
Desejando-a.
Provo o sabor do pecado e descubro que o pecado não é a maçã,
é a flor que ela se torna depois de provada ...
Meu pecado é comer a maçã na ânsia de rever aquela bela flor que tanto me atormenta...



Detalhes





Ela conhece seus fantasmas, seu inferno, seu pecado.
Ela conhece sua paz, seu céu e seu perdão.
Fotografia: Jacqueline Pinto
Ela não tem medo da vida nem de viver,
Ela tem medo do homem,
ela tem medo da mulher,
só a mulher sabe ser mortífera,
intensa e delicada.
Mulheres tem cheiro de pecado,
têm cheiro de amor,
têm cheiro de flor,
cheiros que ela conhece muito bem,
cheiros que também a possuem,
Ela também é mulher,
é a maior mulher,
ela é pecadora, mortífera, intensa, delicada,
com o cheiro do pecado, do amor e da flor.
Ela ainda cheira a cigarro e café.
Ela é consumida por cheiros e movimentos,
detalhes e olhares que ninguém nunca reparou.
Ela não é bonita, nunca foi, mas tudo bem,
ela é só um detalhe que ninguém repara, só ela.
Assim, ela se ama, se aceita, se doa, se divide e vive com cada detalhe que só ela vê.


Tropeço



Tropeço, descubro e me perco em palavras demasiadamente doces e sutis.
Como num passe de mágica, tudo o que era longe fica perto,
tudo o que era feio fica bonito e tudo o que não existia passa a existir.
Pois tudo está dentro de mim e quanto mais eu acredito maior a chance de existir.


Assim eu queria minha última dança




Hoje quero me livrar de tudo o que me frustra,
de tudo o que não mais me preenche, pelo menos é o que eu  quero pensar,
de algo que não sei se ainda me traz prazer, a dança.
Não sei se realmente quero deixá-la, se quero mudar,
só sei que a cada passo a frente, dois acontecem pra trás,
pelo menos é o que eu sinto e vejo.
Meu amor é infinito por ela, é algo que me trouxe tudo maravilhoso,
me ensinou a ser mulher, a ter auto estima, a me enxergar e sentir a vida e meu corpo a ser meu santuário,
porém não trouxe algo que não sei o que é e queria.
Assim eu queria minha última dança,
com amor, emoção, lágrimas, sorrisos e aplausos,
muitos aplausos!
Só quero que nessa despedida eu sinta falta de mim mesma e traga todo meu amor por ela de volta.
Na sexta, levarei todo o amor que tenho pra me despedir da minha dança sem me afastar do amor que tenho por ela.
Às vezes precisamos abrir mão de amores para nos sentirmos vivos novamente.


O Depois [2]



Depois entendi o que aquele olhar e sorriso tinham de tão especiais...
Tinham as respostas que busquei a vida toda,
o brilho que procurava a cada manhã pela janela,
o abraço que tentava sentir toda noite antes de dormir
e o principal, a vida que sentia faltar em mim.

E tornamos com as noites em claro e os abraços" pós-sexo", com o cigarro na boca durante toda a noite e o sorriso nu nas manhãs por três dias consecutivos, sem comer, beber, só ali,
Vivendo uma da vida da outra, pra sempre ou só por mais três dias...

O Depois




E os corpos já estavam nus mesmo, não tinha mais intimidade que isso. As duas já estavam bem satisfeitas com aquela noite e não tinham sobre o que falar,
pois o sexo atormentava suas mentes um tanto quanto doentias.
Não restava nada mais que dormir ou fumar na janela do quarto.
Ela preferiu dormir logo, seria mais fácil de não pensar no que tinha acontecido.
Eu preferi fumar (gosto do sabor do cigarro depois o sexo, gosto da imagem sexy que ele me passa e as imagens do antes, durante e depois são muito importantes) e pensar exatamente no que estava acontecendo dentro de mim naquele instante.
Olhava-a pra tentar entender como tudo tinha acontecido e o que ela tinha que me deixava em tal estado e, nada ...
Depois da noite toda fumando e pensando sobre o sexo e seus sentimentos sem nenhuma resposta, ela desperta e abre aqueles olhos pequenininhos, levanta ainda desnuda e caminha em minha direção já com aquele sentimento de "abraço pós-sexo" e quando abre aquele sorriso, tenho todas as respostas que busquei...


Nota sentimental


"Um grão de areia no deserto. Um nada nessa multidão."

Será que o tempo vai ajudar?


Me apaixono por você


Quero compartilhar um segredo,
quero dizer o que ninguém sabe, hoje.
Só pra você.
Só hoje.
Pensei que você pudesse já saber,
Pensei que pudesse imaginar, mas não.
Você não tem idéia do quanto isso foi se tornando intenso em mim.
Quando nos tocamos,
como só você sabe fazer.
Ou não, nunca te toquei.
Sentir tuas mãos deslizando por minhas costas,
me estremecendo profundamente.
Mas nunca senti suas mãos.
Me apaixono por não saber quem é você,
por não te ver,
não te conhecer,
me apaixono pelo não amar,
pelo não estar,
me apaixono por você.

Hoje nenhuma dessas palavras tem tanta intensidade, hoje NADA tem tanta intensidade! Hoje não é a intensidade que interessa.


Carpe Diem

O dia é hoje, a hora é agora, a vida é já!
Não vamos perder tempo chorando com tristezas fúteis, ou melhor, com tristeza nenhuma.
Vamos chorar de alegria e sorrir.
Precisamos aprender a não desperdiçar tempo trabalhando tanto, nos preocupando tanto, a vida é tão mais simples assim.
Não desperdiçar tempo aqui não é sair correndo pro banco, pro escritório etc.
Não desperdiçar tempo é correr pra sua família, é abraçar seus amigos, encontrar amores e desamores.
Tudo passa tão rápido que não podemos ficar alimentando sensações por todo uma vida, as sensações só existem porque são passageiras e a overdose delas não faz tão bem quanto imaginamos.
O segredo da vida é viver e viver bem.
Viva sua vida demasiadamente porque ela não dura muito. Viva-a como quiser!
Carpe Diem!


Apologia






E se tivermos mais um dia?
Me peguei pensando no significado do tempo.
Conclusões? Nenhuma!
Mas pensei em como desperdiçamos tempo com bobagens
e essas bobagens incluem as tristezas que passamos,
os pensamentos que nos consomem por horas,
as palavras que escrevemos,
os filmes e as novelas na televisão, enfim ...
Deixamos de não ter tempo e passamos a ter preguiça
pra um simples passeio no parque, fazer um piquenique, ler um livro ao ar livre.
Ar livre?
Muitas vezes nosso ar não tem qualidade nenhuma, mas não queremos pensar nisso também.
Esquecemos que só ao sentar debaixo de uma árvore já temos um ar melhor.
Como eu disse, não cheguei a conclusão nenhuma, mas começo hoje a fazer apologia a uma vida mais simples.
Só reparamos no 'grosso' que vemos todos os dias, mas se deixarmos o 'grosso' de lado e repararmos apenas nos detalhes?
Detalhes muito me interessam.
Simplicidade é tudo o que me interessa e nada melhor que ler um livro debaixo da árvore, olhando pro lago de um parque qualquer, dentro da cidade.
E então, podemos ter mais simplicidade?


Ah! o sol 



Ah! o sol ...
Sou capaz de ficar horas admirando sua beleza, sua energia que enche meu coração de alegria pelo simples fato de existir.
Ah! o sol que me move, que me traz todas as melhores sensações dos meus dias.
Eu acordo todas as manhãs só para ver o sol em frente minha janela, para tomar meu café da manhã, ler meu jornal na sacada, sentindo o vento refrescar o calor do sol em minha pele, tomando meu suco de laranja e meu pãozinho fresquinho.
Ah! o sol ... e a vida que ele traz pro meu coração todas as manhã e a força pra continuar vivendo!

Ah! o sol ...


Happiness




Cansei de ser essa canceriana melancólica, triste, depressiva, quero vida nova e aí vou eu ...

Nova cidade, nova faculdade, novos pensamentos, idéias, desejos e planos, muitos planos a serem realizados.
Viagens, tatuagens, empregos, apresentações, workshops, shows, compras, livros, posts...
Tanta coisa e tanta vida pela frente, tanto chão que ainda está por vir, tantas realizações,
já cheguei tão longe, por que não expandir tudo isso?
Quero me graduar, pós-graduar, mestrar, doutorar, mas pra isso não posso mais parar e é assim que será.
Amanhã vou pular da cama, por minha melhor roupa, correr na chuva, sorrir para todos, falar com todos, cortar meu bolo de aniversário e começar meus vinte anos apenas com bons fluidos e assim será ...

Sorrir sorrir sorrir e nada mais!


Comemorar?




Tinha tudo pra ser uma data feliz.
Ah! meus vinte anos.
Até seria bom se não fosse a enorme dor em meu coração,
se não fosse o vazio, a saudade ...
Aprendi que cortar os pulsos não resolvem minha vida,
aprendi que chorar desesperadamente não resolve meus problemas
e que me lamentar pela perda de algo tão grandioso não vai diminuir o que sinto.
Hoje eu só não quero comemorar ao lado de ninguém, quero ficar sozinha
e comemorar comigo mesma a alegria de mais um ano de vida e a tristeza de mais um ano
sem a vida de pessoas tão importantes...
Chorar ainda me faz bem às vezes, limpa dores da alma, mas não choro com lágrimas de revolta,
nem lágrimas de lamentação, são lágrimas de saudades, que alimentam em meu ser o amor que eu tanto sentia.
O amor que eu tanto sinto.
Duas décadas não são nada, ainda tenho uma vida inteira para lidar com isso e lido.
São cicatrizes que não curam e são preservadas e alimentadas por mim e por minha alma, é um amor sem fim...


A vaidade










Só no dia em que o amor pelo próximo superar a vaidade encontraremos a paz interior. Eu amo a vaidade, mas não posso viver com ela se quiser ter alguém ao meu lado e sentir a paz que tanto desejo...
E agora?









Ela



Se soubesse que me traria tantas sensações, faria isso antes...
Cada toque nas pernas, nos ombros, nas mãos, cada toque me arrepiava e me excitava. Se eu soubesse que seria assim ...
Palavras trocadas, nenhum interese em comum, nenhum assunto em comum, mas um desejo em comum, nos tocarmos, nos beijarmos, era a única coisa em comum. Ou não. A aceleração do coração e o arrepio com cada toque era algo em comum.
Uma cerveja, alguns cigarros, algumas palavras que são jogadas ao vento, era o que tínhamos na realidade, mas em matéria de desejo, sabíamos que ia muito além disso, mas não foi, a realidade não é tudo pra mim, mas era pra ela, então fui pra casa, me banhei e dormi pensando no que não devia ter dito e nas palavras que me faltaram, mas isso tudo parou aí, não existia mais nada e a vida voltou ao normal e aqui estou eu novamente, sozinha...
... até ela voltar ...
Ela sempre volta!



Gotejar




Cada gota que deixo cair sobre a tela que coloco no chão é uma palavra não dita, um amor não realizado, um momento não vivido.
Cada gota é uma sensação, é uma emoção.
Deixo rastros pretos, brancos, cinzas, coloridos por todo o chão enquanto coreografo todo meu desejo naquela tela. Sem pincel, sem cavalete.
Só a tela, a tinta, minha mente e meu corpo.
Sem banalizar minha individualidade, essa é minha arte, fazer gotejar tinta, chuva, lágrimas, palavras, toques. Gosto das gotas da chuva correndo em minha janela, enquanto estou esperando te ver passar, gosto das gotas de desfocam minha visão, gosto de gotas.
Eu quero gotas, apenas gotas, que vão caindo lentamente e fortemente dentro de mim...
Quero fazer gotejar, doses homeopáticas que me curem dessa vontade de me expressar.
Gotas de tinta no chão, gotas de chuva na janela, gotas de lágrimas que percorrem sua face quando vou embora novamente sem te dar explicações.
Gotas, apenas gotas.


Com amor


Minha linda Isabela,


A carência é mais forte, o desejo é visível, preciso cuidar de você, antes que desista, se entregue e decida partir. Cuidar como a garça, que bica seu próprio peito para alimentar seus filhotes, eu cuido.
Te dou carinho, te faço sorrir pra que mude de idéia e diga que quer ficar.
Eu conheço sua bipolaridade grave, suas crises depressivas, suas tentativas de suicídio como ninguém pois eu estive lá, eu estive ao teu lado, sempre ao teu lado.
Você é minha âncora, me mentém presa em você e eu não quero levantá-la.
Não quero banalizar sua individualidade, mas somos uma só, somos um só indivíduo e quero continuar sendo você e você sendo a mim.

Com amor,

Nayara.


Fuga





Hoje, sinto minha obscuridade e confusão indo embora, talvez isso não dure mais que alguns minutos, mas eu sinto e nem eu sei o quanto isso é importante, só sei o quanto aprendi sobre mim mesma e isso faz toda a diferença.
Tenho fascinações das quais não consigo me desgarrar, como as águas, os relacionamentos e minha repulsão por pessoas. Contraditórios, mas reais ...
Quero minha individualidade, minha auto-estima ponderada e minha overdose de sensações.
É disso o que eu preciso.
Quero fugir com alguém como eu, que corra na chuva sem medo de nada, de pule de penhascos, que se corte, que busque o mesmo que eu, que queira sensações, que queira emoções e quando essa pessoa chegar, quero estar pronta pra me entregar e sair correndo o mundo, sem medos, sem preocupações.
Quero alguém que eu consiga gostar, que consiga amar, que seja mais que a mim, que me ensine a ser mais que a ti.
Quero fugir ...



Ser Marina e muito mais




Percebo agora que não foi brusca minha queda, que fui caindo bem lentamente no buraco onde me encontro hoje.


Comecei com prantos, vazios, mudanças, tristezas repentinas pra agora sim poder chegar no auge do fundo do poço onde entrei e não consegui mais sair.

Foram quedas de pressão, desmaios, febres, tonturas, vomitos, tudo indicando pra eu ir pro caminho contrário, mas eu insisti e fui na direção que achava correta, não me arrependo, passaria por isso agora ou depois mesmo...

Agora, te digo que não é fácil entrar nesse poço onde entrei, com tantos riscos como passei, me cortando, me drogando, me contrariando, tentando suicídios inexplicáveis, não vendo sentido em nada e vendo sentido em tudo, indo até meus limites, testando sensações, com medo do desconhecido e com sede de prová-lo mais e mais, conhecendo-o.

Se fosse tão simples, se eu pudesse, ao menos ser como Marina, se eu pudesse me cortar e manter o corte sangrando, deitada, com todos olhando, sem dizerem uma só palavra. Se eu pudesse comer a cebola inteira, com casca, mordendo e chorando, se eu pudesse atravessar a muralha da China para me encontrar com meu amor exatamente ao centro, se eu pudesse sentar o dia todo e olhar fixamente para os olhos de desconhecidos, fazendo-os se encontrarem em meu olhar, se eu pudesse 'back to simplicity', tocar uma ovelha negra, se eu pudesse correr e bater meu corpo nu contra uma parede, fazendo-a expandir, s eeu pudesse pentear meu cabelo, meu rosto por mais de quinze minutos, agressiva e tranquila, se eu pudesse baforar na boca de alguém e vice e versa até desmaiar, prender meus cabelos com o de outro alguém, se eu pudesse ser Marina ...

Seu eu pudesse ser Marina, eu seria mais feliz, mais intensa, mais profunda, mais perfeita, mas não sou, então entro novamente em meu buraco, tentando ser Marina em momentos mais íntimos e dedicados à mim mesma. Vou tentando ser Marina, vou tentando ser performancer, vou tentando ter coragem, confiança e liberdade o suficiente, vou tentando viver meu sonho: me jogar da sacada e criar asas antes de ao chão chegar..

Vou tentando ter uma Abramovic dentro de mim. Vou tentando controlá-la dentro de mim, pois Marina quer sair do poço, Marina quer sair de mim. Mas todos estão prontos pra quando Marina chegar?


Querida Samantha



Querida Samantha,

Venho por meio desta, lhe informar o falecimento de nosso caro sentimento chamado amor. Depois de sua partida, encontrei um bilhete que continha seu nome, então achei que era seu direito saber do que se tratava. Transcrevo o bilhete logo abaixo.

"Durante toda minha existência, só fui feliz por saber que minha querida Samantha existia, que estaria viva para quando eu precisasse. Meus dias foram difíceis longe dela e de todo aquele jeito que só ela tem, daquele sorriso contagiante, daquela alegria de viver, mas isso tudo compensou quando a vi em meu velório, no meio de tantas lágrimas falsamente caindo dos olhos de tantos desconhecidos, que nem sabiam a verdade sobre minha existência, que nunca nem me conheceram.
Minha vida valeu a pena só pelo fato de ter conhecido minha querida Samantha e é com muita angústia e uma dor infinita em meu peito que me despeço de todos, inclusive de minha querida Samantha e lhes digo que não sou eu quem decide quando morrer, são vocês, os que me têm em seu coração, portanto a culpa de minha partida é apenas de vocês.
Vocês amaram e muito, me usaram até não ter mais solução para os problemas e diferenças mentais entre vocês e fui muito feliz dentro destes corações.
Obrigada por terem me permitido imensa felicidade.
Sejam felizes.
Com carinho,

O Amor."

Sem mais o que dizer, também me despeço dizendo que fui muito feliz ao teu lado. Te envio também uma foto de sua flor preferida, pois a foto pode ser eterna e as flores não, assim como o amor.

Com carinho,

Anastácia


Suicídio


Tudo o que consigo pensar nesses últimos dias é naquele sonho, tenho tido o mesmo sonho há noites e ele não sai de minha mente ao acordar.
Tento sentí-lo na vida real, tento saboreá-lo, mas não consigo, toda tentativa de conseguir aquela liberdade é em vão, não tenho asas físicas, não tenho coragem o suficiente, não tenho confiança o suficiente.
Ainda.
Ainda não tenho tudo isso, mas talvez mais alguns dias de sonho eu comece a ter.
Coragem o suficiente para saltar de um lugar alto, confiança o suficiente para saber que não cairei ao chão, liberdade o suficiente para criar minhas próprias asas.
Me jogo nas águas do mar, prendo minha respiração, mergulho, não funciona ...
Pulo na piscina todas as noites, na esperança de poder sentir e nada ...
Na cachoeira, jogo meu corpo na correnteza, mas ele nem se move ...
Ainda não tenho, mas nada que mais alguns dias de sonhos não resolvam.
Coragem, confiança e liberdade.
É tudo e é só o que eu preciso, pelo menos por agora.

Nenhum mar, piscina ou cachoeira resolverá minha angústia, só as asas me darão o que quero!


Sobre o acaso



Sobre o acaso, ele existe se for realmente não procurado.
Hoje eu posso te dizer, com toda certeza, o acaso existe e faz coisas impossíveis acontecerem.
Então o acaso, enfim funcionou comigo ou eu nunca tinha deixado nada nas mãos do acaso?
Pela primeira vez eu não esperei, eu deixei o acaso agir sob mim ...


O acaso existe, pelo menos comigo!



Sentir


 Era 23h de uma terça feira chuvosa da cidade paulistana, eu já me via sem chão há tempos, mas só caí mesmo naquele dia.
Tinha tudo pra ser uma noite como outra qualquer, escura, chuvosa, poluída, cheia de vozes, mas tudo tinha começado diferente. A lua fazia com que aquela noite estivesse mais clara que o próprio dia, a chuva estava bonita, espaçada, leve, a poluição já não existia e as vozes desapareceram.
Vozes. Elas são internas e sabem me confundir completamente, sabem me enlouquecer, sabem me dar um rumo.
Bom, essa noite elas foram diferentes, achei que estavam mais lúcidas que sempre, menos distantes, mais presentes e entravam em minha mente, convencendo vir de mim. Suas palavras foram mais precisas e mais intensas que normalmente.
Mais uma vez eu estava sentada na sacada fumando meu cigarro, tranquila, em paz, pelo menos era isso o que aparentava acontecer por fora, só não era o que acontecia aqui dentro. Fui ouvindo o que essas vozes queriam me dizer, o que tentavam expressar.
Há um tempo já não sabia o significado da palavra 'sentir', só sabia que eu queria voltar a entender o sentido dela, na verdade, já estava desesperada para que ela voltasse ao meu vocabulário. Nesse momento, minhas vozes conversavam comigo sobre isso, sobre como me fazer sentir tudo, da mesma forma como sentia antes, com a mesma intensidade, com o mesmo peso que aquilo tinha sobre mim.
Elas não paravam de falar, não explicavam claramente o que queriam de mim daquela vez, eu só me perdia tentando compreender e nada ... Não tinha consciência da influência que elas tinha sob mim, o quanto elas eram presentes em meu físico e como elas faziam que ele reagisse tão rapidamente às suas palavras.
Só me dei conta de como isso funcionava quando despertei no banheiro de meu apartamento, segurando lâminas de barbear e toda nua, sentada no chão, encostada na parede e com pernas e barriga, tudo cortado, com pequenos e profundos cortes, sangrando naquele piso vermelho, quase não aparecia, mas sentia-se levemente aquele cheiro, que consumia o prédio todo. O sangue já coagulava quando saí das vozes, quando elas sumiram e eu pude voltar ao meu corpo.
Não podia sair do banheiro daquele jeito e meu banho quente não ajudava, os cortes doíam cada vez mais com o sabão que eu passava e logo desmaiava e cada vez que acordava não mais me importava com o que tinha acontecido, o pior era ver que aquela cena se repetia a cada dia e que cada manhã quando acordava, uma parte maior de meu corpo era consumida por cicatrizes que pareciam nunca fechar.
E não fechavam, eu fazia questão de mantê-las abertas para me lembrar do que significa a palavra 'SENTIR', naquele momento, eu sentia. Naquele único momento eu era quem realmente sou.

Me encontrei


Entrei silenciosa, sentei no divã e pude dizer o quão vazio meu peito se tornava naquele dia, meus olhos lacrimejavam pra expressar a dor que eu sentia.
O doutor me olhava atentamente, analisando cada segundo e cada exitação.
Eu dizia que minhas olheiras aprofundavam a cada instante e minha tremedeira só aumentava conforme eu bebia mais uma xícara de café, que meu sono não vinha durante a noite, mas que ele batia forte todas as tardes e que eu não dormia nem nas tardes, até porque nas tardes eu mais o que fazer, refletir.
Ele não entendia o quanto minha vida era entediante e que aquilo não mudaria, que eu não faria nada pra mudar aquela rotina que eu tanto amava e eu amava.
Acho que o mais difícil de tudo foi falar sobre sentimentos, eu não sabia o que significava aquilo, eu sabia que existiam, mas não sabia se eu já tinha sentido, era estranho dizer sobre algo tão abstrato, mas falei ...
Ele não entendia o que eu queria dizer e o quanto a falta daqueles sentimentos todos me deixavam sem nenhuma inspiração.
Eu só queria sentimentos, não tinha muito o que explicar, não tinha muito o que dizer, eu só queria sentir, logo perdi minha paciência, levantei daquele divã, e saí por aquela porta sem ouvir uma palavra sequer, meus pensamentos clarearam e me levaram dalí, mais limpa, mais leve, mais clara, mais firme, mais forte, agora sei quem sou e o que faço no mundo, me encontrei e me perdi, me encontrei e, novamente me perdi...
Cansei de me encontrar, então saí de lá decidida a simplesmente, me perder, a cada dia que passasse.
Me encontrei em cada perca, me encontrei perdida e feliz, enfim.



Falta



E sentirei falta ao deitar e não sentir o tremor do chão quando o metrô passa,
do cheiro de pó e poluição que vem pela janela,
do barulho dos carros, ambulâncias que não param,
das pessoas que encontro no caminho todos os dias, das que sorrio e das que não vejo,
de fazer o mesmo caminho de segunda a sexta,
de ter o chinês que vende de tudo por perto.
Sentirei falta dos passeios de domingo ao lado de vocês,
das besteiras faladas, dos olhares fofocados,
das fofocas na madrugada,
das danças depois da bebida,
das louças mal lavadas,
cozinha a ser limpa,
da escada que não subirei,
de me esquecer de descer o lixo, sentirei falta
dos cafés, frapés, comidas, vinhos, tudo repartido, sentirei falta
Sentirei falta no dia que tiver de ir embora, pra um lugar mais tranquilo, mais calmo,
sentirei falta quando voltar ao interior, sentirei falta quando voltar ao meu interior ...

Enquanto não volto, vou dançando, falando, correndo, palpitando, fofocando, sorrindo, rindo, ligando, trocando mensagens. Enquanto não volto, ouvimos 'Volare', Cartola, cantamos Tiê, rimos à toa, falamos mal, saímos todas as noites, temos dificuldade pra acordar.
Enquanto eu não volto, vou sendo quem eu sou ...


Sem fim



Já era fim de semana, o cansaço ganhava espaço, não só para mim, mas também para ela.
Minha atenção, totalmente voltada pra cada movimento, minha mente imaginando situações que poderiam acontecer, meu corpo pedindo seu carinho...
Acho que isso se deve a essa delicadeza de seus movimentos, a velocidade de sua respiração tranquila, sua voz que me acalma. Teu sorriso e o movimento de suas mãos se completam. O sentar curvado para frente, o modo como abre o guardanapo e o põe sobre seu colo, com aquele leve movimento, segura nos talheres como se fossem a coisa mais valiosa do mundo, de tanta suavidade. Era com essa mesma leveza que eu queria que também me segurasse, como segura os talheres.
Quando sai de sua boca uma palavra, não posso responder, o problema é com você.
Me calo.
O silêncio prevalece.
Sinto o sabor salgado de uma lágrima escorrendo por meu rosto, que expressa a dor de não poder te ter comigo, de ser minha mulher por, pelo menos, um dia. Só queria que você sentisse meu carinho e que posso te dar mais do que qualquer um já deu.
Eu não sei do que se trata isso, mas não creio que se trata de amor, talvez hoje, esteja apaixonada por você.
Vou embora pra casa pensando no que poderia ter dito, nas melhores palavras ou que talvez, mais silêncio resolveria as coisas, mas nada resolve, já cheguei em casa, você já se foi, agora as coisas acabam sem, ao menos, terem começado.
Sem fim.


Seus dezenove outonos


Sexta-feira, dezoito de março de dois mil e onze, vinte horas e treze minutos, chegamos e nos sentamos.
Elegante, rústico, pouco iluminado, em nossa frente, uma árvore com luz esverdeada, pontos de luz refletem no telhado de madeira e as pilastras de pedras acimentadas e visíveis.
A estrutura é grandiosa, me encontro sentada num pequeno deck com vista para uma avenida pouco movimentada e muito verde, na companhia de uma pessoa agradável, que escolheu a mim para comemorar mais um ano de sua vida.
Ela não é uma de minhas flores, nem uma de minhas desilusões e tentativas frustradas, nem a pessoa mais racional desse mundo, sua sanidade não é nem discutida por nós, mas é a única pessoa que está em perfeita forma mental para compreender o que se passa aqui dentro de minha mente, talvez um pouco doente e cansada. Ela é daquelas que te faz companhia sem precisar fazer nada, que senta, conversa, discute, filosófa, observa e conclui.
Nossa alma se completa, talvez pela falta da tal sanidade, dos tais limites, vivemos das sensações que o mundo dá, da intensidade que escolhemos para nós.
Neste exato momento, já se foi uma margherita, dois sucos de abacaxi com hortelã, uma ice e uma porção de batatas com molho de alho, mas a noite acabou de começar, a música ainda estamos a esperar, os convidados, nem sinal de chegar e da esperança só resta o ar.
Anotamos, criticamos, pensamos, palavras mal-formadas, sonhos inacabados e os 19 outonos dela começam em uma transição de grande porte, eu não a ajudo, eu a desafio.

Não queremos mais nada e a noite não acaba.

Ausência




Minha ausência é a consequencia de uma mente doentia,
sozinha,
ansiosa,
parada e,
ultimamente não muito criativa.
Minha ausência não é só nas telas, nos livros, nas palavras, na música,
é a ausência de meu corpo, a ausência de minha alma, a ausência de meu ser,
a ausência de minha essência.
Meu ausentei, me perdi, sumi, cansei, morri.



Aeroporto




Tumblr_lhcvv5uwwt1qcqtbpo1_500_large

Sentada no chão do aeroporto com meu computador, parada, só observando como as pessoas reagem numa situação de espera e de tensão.


Vejo uma moça na mesma posição que eu no chão e com seu computador observando tudo ao seu redor, nos olhamos como se fossemos feitas uma para outra e sinto que se continuássemos nos olhando e concentradas, poderíamos saber o que a outra estava pensando e escrever o pensamento de outra pessoa em nossa tela, sem trocarmos uma palavra sequer, só com aquele olhar profundo que trocávamos e a sensação de nos encontrarmos nele.

Fui então descrevendo como é olhar para um olho desconhecido e ver o que temos em nós, descrevendo a sensação de toque que não tivemos e o quanto aquilo estava se tornando intenso conforme o tempo ia passando.

Eu queria dizer um ‘Oi’, mas isso estragaria toda a emoção do desconhecido e do igual. Ela tinha cara de Maria ou talvez Marina e ela me via com cara de Gabriela ou Rafaela. Eu não era nem uma nem outra, eu era simplesmente Eu, não tinha nome naquele momento, tinha desejos, vontades, sensações, alegrias, melancolias, nada mais.

Ela abriu um sorriso acolhedor e eu correspondi meio envergonhada ainda, as duas começaram a rir e que riso gostoso ela tinha, continuamos sem nenhuma palavra, nos comunicando com o olhar apenas, ela entendia o que eu dizia e ria, assim como eu fazia entendendo o que ela dizia pra mim. Foi gostoso, foi intenso, foi perfeito.

Maria ou Marina embarcou no mesmo vôo que eu, para ela a Holanda era só uma escala para o Egito, para mim era o destino final. Sem palavras, meu olhar despertou a tristeza de Maria ou Marina, que ficou cheia de lágrimas ao me ver partir e só deixar a certeza de que eu também a amei por estes instantes de silêncio, nesse momento tive a certeza de que ela era Maria e não Marina.

Já em solo holandês, numa busca pela internet vejo em destaque um blog com uma história como essa que aconteceu comigo, com vários comentados e a mulher em busca da outra com quem trocou tantos e profundos olhares, eu encontro Maria à minha procura ainda no Egito. Quando envio o e-mail à ela tenho a certeza que o vôo de volta dela não terá a Holanda mais como escala e sim como destino final.



Puta



Toda noite de trabalho era a mesma coisa, saía de casa limpa, perfumada, maquiada, pronta para ser desejada. Meu ponto na Augusta era bem popular, sempre de roupa preta, discreta, não muito curta, não deixava a desejar com meus programas.
Acendia meu cigarro com um isqueiro de ouro que ganhei de uma cliente fixo, assim como usava as jóias que ele me deu na noite anterior. Sabia que aquela seria uma noite em vão, que teria um ou dois clientes e iria para a casa fumar meu baseado. Sempre pensei que minha vida seria assim mesmo como é, só não pensei que seria agora.
Já trabalhei pra ajudar a família, mas agora trabalho para sustentar meus próprios vícios, que não são poucos, pelo contrário, são fortes, são muitos, são inegáveis e além deles, sustento meus perfumes importados, minhas jóias, minhas roupas de paetês pretos com bolsas Louis Vuitton e sapatos Louboutin, que compro desde a época em que trabalhava com o público classe A.
Minha namorada nunca me apoiou nisso, mas desde que entrou num ciclo vicioso de jogos e álcool, até me leva pro trabalho e me controla para que tenha certeza que levarei dinheiro para seus jogos na próxima noite.
Não era ela quem abria as pernas, seca, sem prazer, sem desejo e sentia aquela dor e as lágrimas escorrendo por sua face, enojada com o que faz, enojada com um homem por cima de seu corpo e fingindo algo que não há nenhuma possibilidade de acontecer.
Ela só queria jogar, beber, jogar, beber ...
Eu só queria parar, sumir.
Num momento de raiva, numa briga, onde ela já estava bêbada, num estado deplorável, ela joga aquela garrafa contra meu rosto, destruindo a única coisa da qual me orgulhava em mim, meus olhos brilhantes, sonhando com uma vida melhor.
Cheia de cicatrizes pela face, cheia de lágrimas, sem nada ver no olho esquerdo, fujo, mas fico na metade do caminho, com dor, sangue e sem força, caio no mesmo ponto da rua onde ia toda noite.


O Espetáculo




Estava marcado pras 21h do sábado, eu confirmei minha presença e peguei meu convite no dia anterior e fui.
Ao chegar, muito bem arrumada, disposta pra ver seu Espetáculo, sento-me na poltrona vermelha mais confortável do camarote, as luzes se apagam e o show começa...
As fumaças ocupam o palco, criando, em minha mente, nuvens mágicas.
Você entra em cena, com aquele colã branco, maquiagem super clara, olhos pretos, marcados, aquela sapatilha rosada, já marcada por tantos ensaios, que obtiveram resultados incríveis, perceptiveis em seus "Pas de Bourrée" e "Grand Jeté" e na perfeição de seu "Arabesque".
Admirando sua leveza e a suavidade de seus movimentos, quase sempre perfeitos em técnica e expressão.
Encantada, ao final do espetáculo, me dirijo até seu camarim, para lhe parabenizar por cada instante ocupado no palco, me deparo com alguém muito melhor que a personagem que do palco saiu.
Não há regras, não há centro, só você, puramente o que é e a personagem, que tem muito de si.
São dois segundos de conversa e estamos dançando juntas, atrás da cochia, olhando nos olhos uma da outra, com mais afinidade que amores longos, estamos lá, nos admirando...
Ali, foi como encontrar a parte que faltava dentro de mim, que na verdade, não faltava até eu te ver e sentir que havia o que ser completado.
Não me apaixonei pela personagem, nem pela técnica, muito menos pela expressão, me apaixonei pela mulher por trás disso tudo, pela sua estrutura, por você, pela mulher.
Nunca pensei que isso pudesse acontecer, uma mulher?
Minha cabeça se fez confusa, desregrada, desestruturada, mas só te ter naquele instante mudaria isso tudo muito depressa e mudou.
Os bailarinos se foram, o público também, todas as luzes já estavam apagadas, só havia eu e você, só as duas, num palco vazio, para abusarmos de nossa criatividade e afinidade, e assim fizemos...
A noite acabou, nosso espetáculo particular ainda tinha que continuar, mas seu noivo chegou, depois de procurá-la a noite toda, você foi pra sua casa, eu fui para a minha e ... ahhhhh!
Nem seu nome eu perguntei, só fiquei com seu gosto em minha boca, a sensação de seu toque em mim e uma sapatilha usada, mas não precisaria de nada disso para me lembrar da noite passada...


Noite Paulistana




18horas de uma segunda feira que tinha tudo para ser tranquila, os carros passavam na rua, com aquele trânsito que só São Paulo conhece. Sua mensagem chegou assim, de repente, querendo me ver mais uma vez, depois de tantas cicatrizes deixadas aqui dentro, minha resposta foi automática, aceitei-a no exato momento em que vi seu nome em meu celular.
Você chegou às 20h em ponto e fomos para um café na Francisco Cruz, depois de caminharmos, mais ou menos, 10 minutos de minha casa, para olharmos nos olhos uma da outra sem dizermos uma só palavra.
A rua estava vazia no instante que saímos dali, depois uma bela xícara de café fresco e vários cigarros compartilhados, sentamos na guia, ali mesmo, em frente o café, que já estava fechando.
A noite passou a não ser a de mais uma segunda qualquer, a lua conversava comigo, tentando me dominar pelas minhas maiores fraquezas, pelos meus maiores medos, a de abrir mais um machucado que só cicatrizaria em alguns bons anos.
Sem uma só palavra, sem um só ruído, ficamos nos admirando, pensando quando sairia de sua boca o corte final.
Já era 22h, nem o barulho do trânsito na rua de cima atrapalharia mais nossa conversa, se quisessemos ter alguma... nada, só o silêncio.
Entendi que olhares bastariam para que tudo acontecesse, pois o som da noite em si e a voz daquela lua falando comigo era o suficiente para me deixar confusa.
Engraçado, que reparando quando saí dali, não havia lua no céu acinzantado dessa cidade, onde tudo acontece.
Ouvi, enfim, um ruído de sua boca, não acreditei que aquilo era real, foi depois de tanto tempo um " te amo"? Com essa voz grave, daquelas de cantoras de música popular brasileira.
Me dei conta que, inconsciente, saí de casa protegida, com algo que que poderia, em algum caso salvar minha vida, só não pensei que poderia tirar a sua, com aquela faca que amolei no dia anterior.
Tranquila, levei teu corpo, devagar para um terreno vazio ao lado daquele café. Bateu, de repente, um desespero de alguém me encontrar ali, parada diante do teu corpo, sangrando, expressivo, ainda com o "te amo" nos olhos, acendi meu Dunhill com aquele isqueiro rosa que me trouxe de sua última viagem com aquela garota que também dizia amar.
Me vi parada com a faca na mão, cheia de sangue, com um desejo insano de satisfação e medo, mais satisfação que medo, confesso.
Sabia que aquilo era o necessário naquele momento, se não fosse você, seria eu. Joguei com toda força seu corpo num buraco, onde só os cães poderiam encontrar, em seu bolso, uma carta para a garota da viagem, com o mesmo "te amo" em letras maiusculas.
Limpando a faca, lembrei de minhas últimas palavras, eu te avisei, eu sempre te avisei ...
Minha loucura e meu amor sempre andaram juntos.
Com meu cigarro na boca, limpei minhas impressões, joguei a faca contra teu peito no buraco e caminhei rumo a lugar nenhum, sem pretensão de chegar em casa, sem querer passar em qualquer lugar, só sentia o cheiro do café ainda fresco e seu "te amo" bem de longe, carreguei tua alma comigo, até que ...

Hoje sou só mais uma alma vagando por aí, junto com a tua e só sinto o sangue saindo de sua cicatriz em mim.



O acaso



Você pode não me escutar, mas vou te dizer,
com esse nó na garganta que me inferniza,
dia e noite.
Tento me livrar de você, suas palavras,
seu jeito, de tudo o que não vivemos.
Sempre me senti corajosa,
mas não passava de um grandioso medo e erro.
Há tempos, você está guardada em minha mente,
você não sai daqui, a vontade de te ver, te tocar, te sentir só cresce a cada dia.
Mas você não me chama, não aparece, não telefona ...
Muitas mulheres se passam por minha vida nesse tempo,
mas você predomina em meus pensamentos.
Como faço pro acaso funcionar comigo e eu andar pelas ruas e te encontrar sem querer?
Faça o acaso funcionar, só uma vez?


Teu olhar



Lembra daquele teu último olhar?
Ah, ele foi essencial!
Estremeci toda quando por ele,
vi tua alma se encontrar com a minha.
Encontrei o reflexo de minha alma em você,
nessa meiguisse grotesca que tens,
nessas doces palavras amargas,
nessa maldade tão bondosa com o próximo.
Quero sentir o calor de tua pele, do seu toque,
que se deixe levar por mim, só uma vez,
só pra eu te conhecer hoje.
Por trás de tanto mistério, de idéias e ideais interessantes,
é possível encontrar um espaço para o amor?
Mesmo que não seja o que você gosta,
eu sou quem você pode amar,
eu sou quem te dará amor (talvez).



Latina



Latina, quente, florida, com olhos grandes e marcantes,
sorriso enorme, que contagia seu redor.
Baila la salsa como ninguém, el tango, seduz.
Caliente.
Como as mulheres de Almodóvar.
É você.
Latina.
Quente.
Florida.
Você, bailarina.



Lago do Cisne




Você sente sua essência sendo perdida,
Saindo de sí, como vômito.
Vai se perdendo até se encontrar.
Se encontra? Não.
Pensa em sua essência,
enxerga suas contradições, concorda com todos os lados,
mesmo que tão opostos.
Sente essa essência se perdendo...
Mas ela está lá, mais aflorada que nunca, com um olhar aberto para todos os lados,
Com desejos mais claros, ainda que contraditórios.
Com tantas faces, que fica difícil distinguir o real do imaginário.
Você é tudo e não é nada. É fraco e forte. É feliz e triste. Nem melhor, nem pior.
Você é alguém, que diferente dos outros, se entrega.
Você não sabe o que é, quem é, o que faz, mas sabe exatamente o que quer.
Teus olhos profundos, doces e amargos, teu sorriso meigo e grotesco.
Sua vontade de ir à lua e voltar, se amar e se odiar.
Livre, com asas para chegar onde quer, independente, não tão lúcido, louco.
Mas desde sempre, loucura é normal, loucura é a alma.
Você é alma e não corpo.


Inspirado no filme: Cisne Negro

Dreamer


E aquela vidinha, miserável,
aquela vidinha,
ela se foi.
Encontro agora, toda minha essência,
o meu lugar, vou me encaixando,
me deixando levar.
Sinto aquela velha sensação de que deixei tudo de ruim pra trás,
de que meus sonhos se passam por aqui e por mais que eu odeie esse lugar,
e eu odeio, você sabe, isso é o que eu sempre quis.
Agora posso dizer, eu sonhei,
Eu venci!


Noite passada



Meus olhos estavam vendados com um musseline preto que eu guardava há anos.
Minhas mãos foram postas pra cima.
Sem saber o que aconteceria, me deixei levar.
Quando me tocou com seus lábios, quentes, na barriga, foi como a descoberta de algo secreto.
Todos os meus sentidos restantes ficaram mais aguçados, mais ainda, o tato.
Me entreguei e confiei, fiquei em suas mãos, me doei toda nesta noite.
Sua boca foi deslizando por meu corpo, devagar.
Bem devagar.
Nunca sabia onde iria encostar.
De repente, me vira e sinto sua boca encostar por toda minha coluna.
Sua pele macia encosta na minha e o calor aumenta.
Me arrepio e vou me contorcendo aos poucos, sem sentir mais você.
Num susto, está em minhas coxas.
Me beija, me toca.
Minha respiração, ofegante se mistura com a sua.
Nosso suor, já é o mesmo.
Seus leves gemidos já fazem parte de mim, dos meus ouvidos.
Você tira o musseline de meus olhos, agora posso te ver me dar prazer.
Te vendo assim, não quero que pare, só quero que isso dure a noite toda.
E dura.
Você, bem junto ao meu corpo, com nosso suor, olhando em meus olhos, fundo.
É a mulher que me dá prazer, me encara, me ama, me odeia.
A noite acaba, mas o sexo não.



Noite de chuva


Era escuro, só havia a mim e as árvores, muitas árvores.
O clarão do céu indicava onde seria meu próximo passo, muitos clarões.
Já gotejava forte, o chão escorregadio e meus pés, no chão, já estavam cheios de lama.
Sentia meu suor se misturando com as gotas que vinham do céu.
Meu desespero aumentava com a força das gotas que caiam sobre mim e com cada deslizada na terra.
Minha antiga camisola branca, já amarelada, me protegia com suas mangas longas e  sua barra arrastando no chão, pesando na terra e dificultando a caminhada.
Um clarão me mostrou uma árvore, bem acolhedora, onde não gotejava e eu podia descansar meus pés, cansados de caminhar.
Ali deitei e não mais acordei.
O mesmo clarão que me ajudou foi o que me levou pra bem longe dali.



Vazio


Nesse vazio, limpo.
Minhas noites têm sido mais claras,
meus dias mais escuros e minha alma mais calma.
Sem sua ligação na madrugada, o vazio.
O vazio, o vazio, o vazio, só.
Mais nada, só eu e o vazio.
Eu?
Eu não estou, está só o vazio.
Limpo.
Vazio.



Ah, o acaso


Ah se o acaso funcionasse comigo ...
Queria andar por aí, caminhando sem destino,
olhando para os pés e,
de repente, numa distração, te ver passar.
Linda, com seu sorriso sempre aberto,
cabelos brilhantes, curtos e, quase sempre, presos.

Ah se o acaso funcionasse comigo...
Sentaria na esquina mais próxima
e esperaria você passar por ali, sem esperar mais nada,
só pra te ver passar, com seus olhos pequeninos e brilhantes,
quase sempre apertadinhos pelo sorriso que não se fecha.

Ah se o acaso funcionasse comigo...
Mas ele não funciona.
Pra te ver passar, preciso saber por onde andas,
o que faz, com quem está.
Se estará pronta pra me ver com a intensidade que eu te prometo.

Se o acaso funcionasse comigo,
já teria te encontrado por aí,
em qualquer esquina, sem saber onde mora ou qualquer outra coisa.

Ou talvez a condição seja essa, não te encontrar, por mais que seja o que eu mais quero.




Isabela Dahab



É uma explosão de sentimentos que vêm e voltam,
sem cobrar entrada.
Sem pensar, sem dizer uma só palavra ...
Às vezes, loucuras, calor e intuição.
Às vezes, sanidade, fria e calculista.
Só quero que a cada dia,
cresça mais e mais toda essa confusão.





Fuga


Saindo desse lugar, pra outro qualquer, onde ninguém possa me encontrar.
Vou me perdendo por aí, por qualquer rua de um lugar desconhecido a pensar
e a pensar.
Me despedindo daqui, com um sorriso estampado no rosto,
só uma semana longe de casa.
Preciso ver o mar e respirar seu ar,
ver o por do sol sentada no pier mais próximo de meus pensamentos.
Saindo com data pra voltar, mas saindo pra conseguir respirar.

Negócios



Vamos lá,
quem ousa me entregar seu coração?
Quem? Quem?
Juro, pago bem!

Cansei de mendigar sentimentos,
vamos lá, última chance!
Dou o maior lance por você!
Eu posso pagar!

Qual o valor do seu sentimento?
Qual o preço do seu amor?
Vamos lá, que comecem os lances!

Você mocinha, sentada, toda arrumadinha, quanto quer pelo amor que eu quero?
Pago bem, o maior lance foi o meu, vem pra cá, hoje ainda tenho muito o que comemorar.

E agora,
Quem dá o menor lance pelo meu amor?
Vamos lá, alguma coisa ele vale!
Quem sabe pra uma noite apenas?

Alguém mais pretende negociar o que eu sinto?

Fechado!

Pra menina ali, de sorriso aberto, dos olhos pequenos,
mas nem por isso menos dissimulados ...


O Circo

Senhoras e Senhores, 
meninos e meninas,
sejam bem-vindos ao circo,
ao Circo da Vida.
Sejam bem vindos ao picadeiro.
Aqui temos palhaçadas, brincadeiras,
ilusões, magias.


Senhoras e senhoras,

escolham seus lugares,

venham ver a vida do próximo,

comentem sobre tudo, espalhem informações.



Meninos e meninas, 

venham brincar com o sentimento do outro,

venham bagunçar a vida de alguém.



Aqui tem palhaçada?

Tem, sim senhor!

Aqui tem brincadeiras?

Tem, sim senhor!

Só não tem pra quem não quer viver de ilusões mágicas,

viver sorrindo enquanto se corrói por dentro.



Senhoras e senhores,
meninos e meninas,
se preparem, a vida é curta,
se cada um pegar seu lugar, ainda dá tempo de ver alguém chorar.

Mudanças


E eu digo que sinto que amanhã as coisas vão melhorar,
tudo vai mudar e meu mundo vai se transformar.
Quem sabe amanhã tudo esteja em seu lugar,
as pessoas estarão mais felizes, os lugares mais bonitos e todas as cores mais vivas.
Amanhã eu sinto que ao acordar, tudo vai mudar.





Me sinto plena hoje.
Só.
Me sinto inteira,
Reconstruí coisas quebradas dentro de mim e agora,
Não quero mais nada!
Claro, sempre falta uma coisinha aqui, um defeitinho ali,
mas são coisas que só o tempo me ajudará.
A verdade é que falta a resposta de uma mensagem que eu nunca enviei,
a retribuição do olhar que eu nunca dei, ou que você acha que eu nunca dei,
as palavras que você nunca ouviu e a intensidade que você nunca sentiu.
Minhas palavras são reais, não as transformo em poesia,
meu interesse por você é claro, só você não vê, ou vê?
E quando recebo sua mensagem, meu coração acelera e minhas pernas tremem infinitamente.
Não quero remédio pra uma dor que não tenho, quero você.
Só.

Noite Agradável


Mais uma noite na agradável companhia de minha taça de vinho,
parada.
Diante do nada, esperando algo surpreendente me acontecer, vendo um filme ruim.
O vinho está acabando, a segunda garrafa já foi,
minha taça está se esgotando,
meus cigarros, nem me lembre deles,
já se foram faz tempo e
o filme já está nos segundos finais.
E então?
Sem o vinho, sem os cigarros e sem nada de surpreendente, com o filme no final,
o que será de minha vida?
Nada. 
Fui eu quem escolhi.

O amanhã não existe

Sair correndo em dias de chuva,
sem guarda chuva ou maquiagem, sem nada que me esconda.
Sem minha melhor roupa, sem meu celular,
para apenas me sentir livre de tudo.
Foi saindo de mim cada sentimento ruim preso por mim mesma.
Cada um desses sentimentos foi me libertando,
como um exorcismo após a possessão.
As cores já estão mas vivas, o ar parece mais leve, com um cheiro diferente.
Meu livro me parece mais interessante, minhas palavras mais exatas e a vida com mais sentido.
Agora me parece mais fácil descrever o que sinto ou, pelo menos, saber o que é.
Eu quis coisas demais, fiz coisas demais. Em pouco tempo, muitas mudanças.
Talvez tanta informação não tenha sido vista como mudança, mas foi.
Meus ideais, ainda não sei, não parei e pensei em todos eles. E nem preciso.
A verdade é que sou alguém bem melhor que antes e isso fará toda a diferença agora.
Quero hoje, deitar na grama, pular na piscina, ouvir boa música, dançar e sorrir, só sorrir.
E quando uma mulher aparecer hoje, lhe darei tudo o que nunca teve e o mais puro sorriso, o mais claro e mais radiante e o único que não lhe arrancará parte de si.
Hoje, direi o quanto ela é importante em minha vida, o quanto ela merece a felicidade,
e o quanto essa felicidade pode ser fácil de encontrar.
Quero ver suas curvas, bem delineadas, seu olhar provocante e o sorriso que me encanta, tua voz grave e o toque de suas mãos, te levar para ver o mar ao meu lado, no por do sol, correr pela areia, mergulhar na água salgada, deitar e por lá ficar esperando o amanhecer.
Estou embarcando no sentimento que me surgir, só por hoje.
O amanhã não existe.

Sem Título

Cansada desse meu jeito patético,
de minhas atitudes incompreensíveis até para mim.
Preciso mudar ou achar algo que se perdeu de dentro de mim.
Sinto o amor como insetos borbulhando em meu exterior,
como algo público, onde todos pudessem ver e sentir o que eu sinto.
De onde vêm todo sentimento confuso que fica dentro de mim?
O desconhecido talvez seja mais interessante, mas o desconhecido talvez seja o mais frustante.
Não sei onde estou me enfiando, só sei que daqui eu quero sair.
Talvez eu não tenha perdido nada por aí e isso seja uma desculpa para mudança,
talvez eu queira algo que não tenho ou, simplesmente, não aceite querer.
Talvez eu esteja bem e tudo esteja em seu lugar agora, minha imaginação pode ser o resultado de toda essa confusão.

Confusão


Me vem uma sensação de não precisar de mais nada,
estar tudo completo, tudo em seu devido lugar, 
como encontrar conchas no mar.
Isso pode não ser tudo pra você,
mas é mais que qualquer coisa pra mim
e faz todo sentido à minha existência.
Por mais confuso, mais arrebatador que me seja,
mais doloroso, mais dramático,
mais sentido tem minha existência.
Talvez não neste lugar, não nesse momento,
mas é a razão pela qual vivo,
me sentir completa, talvez autossuficiente,
talvez totalmente dependente.
Minhas palavras podem não fazer sentido pra você,
minha linguagem pode ser metafórica,
mas minha confusão mental é o motivo de minha completa fascinação,
pois continuo sendo, querendo ou não, o único motivo de sua subversão.
Nem minha vida, nem minhas palavras nem o que sou precisam fazer sentido, basta me sentir completa em plena confusão.

Viver pra quê?

A verdade de tudo é que não existem sentimentos.
As pessoas não têm nada dentro de si que não seja por elas mesmas
E acreditar no contrário é viver de ilusões, é entrar numa bolha.
Ninguém sabe o que é ser sensível a sentimentos reais,
o que é acreditar piamente no amor, na vida, nas pessoas.
E quando me dou conta da bolha em que entrei acreditando em tão grandiosa mentira,
me arrepio de medo da vida, do futuro, que me aguarda, sabe-se lá como.
A verdade é que quando dei por mim, já era tarde, toda minha crença foi em vão.
Hoje, ninguém sabe o que é amor, ninguém acredita nele e assim, ele passa, simplesmente a não mais existir...
O amor se foi com todos os possíveis sentimentos existentes, com toda minha fé.
Viver pra quê se não por amor?

Recomeço

E se agora eu me superei?
Se foi mais rápido do que imaginei,
se agora sei o que aconteceu.
Estou pronta pra recomeçar,
sem zerar os ponteiros, levando bagagem,
pessoas e interesses.
Quero ser melhor que a mim,
quero ser auto suficiente.
Só até acabar o ano, mais nenhuma mulher em minha vida.

The End

Foi como sentir as folhas do outono caindo sobre mim,
meu chão foi sumindo, saindo do lugar,
não o encontrei mais.
Minha mente não para de pensar,
dói como nunca doeu antes.
Sinto meu peito apertado, disparado,
um nó na garganta, onde a vontade de gritar predomina. 
Meus olhos ardem com tanta lágrima escorrendo por minha face.
Alucinada, carente, com medo, sem perspectivas, sem idéias 
e sem vontade nenhuma de correr atrás novamente da felicidade,
vou levando minha vida, trancada, em casa sem saber onde o sol se esconde,
onde as pessoas andam e onde se encontra o que denominam, felicidade.
Não quero um sorriso no rosto,
não quero minhas mãos tocando ninguém, quero só a mim,
um tempo a mim mesma, um tempo à minha mente e pensamentos
que não param, onde quer que estejam.
Quero mesmo é exorcizar esse sentimento, pelo menos, 
por agora.
Organizar minha mente e pensamento, organizar minha vida,
com meu toque pessoal, com meu jeito, ao meu estilo e assunto.
Viver intensamente não é uma opção pra mim...
Me afundo, vou em meus limites extremos em segundos, você sabe.
Vou continuar não me limitando, mas não quero, não por agora sair do lugar, avançar, crescer.
Quero ficar aqui presa em meus pensamentos e só comigo.

Meus dias

Minha vida anda passando mais rápido que nunca,
os dias têm ficado mais curtos,
as noite passam voando, quando me dou por mim,
passou.
Tenho tido dias muito quentes, muito frios,
exagerados, animados, parados.
Tanta contradição pra uma vida,
tantos caminhos pelo qual seguir.
Já não sei se conselhos são ideais
ou se minhas idéias são suficientes pra mim.

Sexo

Me arrepio toda, meus lábios secam. Pernas trêmulas e uma força que, não sei de onde,
Surge.
Minhas mãos correm teu corpo, 
deslizando por essa superfície macia de sua pele.
Me enrosco em tuas pernas.
Beijando teu corpo inteiro, 
ouvindo seus gemidos, sentindo tuas mãos passando por minhas costas,
em movimentos fortes e delicados, contradizendo-se.
Quando te sinto em mim, seguro teu cabelo,
sussurrando, de longe, o quão interessante aquilo se torna.
Nenhuma outra mulher me faz sentir isso,
não com a mesma intensidade do nosso sexo,
não com o mesmo sabor que sua intimidade me proporciona.
E quando acho que acabou, estou pronta pra recomeçar.
E aquela mulher, séria, tão certa,
desaparece, transformando-se em algo bem mais intenso que sua própria existência.

Minha

Queria te mimar mais,
te adorar mais,
ficar com você sempre,
acordada,
até o sol nascer.
Sentir o quanto deve ser bom tirar sua blusa,
beijar teu corpo,
olhar em teus olhos enquanto
se escuta sussurros gemidos ao fundo.
Você me dá sensações que eu adoro,
que eu venero,
que me emocionam.
Porque o que eu tenho por você é inexplicável, incomparável.
Só queria também, ter você!

Cansada

Minha vida anda passando mais rápido que nunca,


os dias têm ficado mais curtos,

as noite passam voando, quando me dou por mim,

passou.

Tenho tido dias muito quentes, muito frios,

exagerados, animados, parados.

Tanta contradição pra uma vida,

tantos caminhos pelo qual seguir.

Já não sei se conselhos são ideais

ou se minhas idéias são suficientes pra mim.

Linda


Nas madrugadas e a cada saída de casa, 
você predomina em minha mente.
Sinto falta de suas palavras, 
da tua voz ...
Sinto falta daquilo tudo
o que não pudemos viver.
Linda, eu quis muito ter você,
mas foi você que não quis,
que não me deixou entrar em teu sorriso.
Agora estou aqui, sentindo aquela saudade vaga
que tanto disse.

À minha vida, com carinho.


Esse tremor insano, essa louca vontade de sair correndo na chuva,
me molhar, me sentir livre da vida, de todas as responsabilidades,
esse desejo de não querer ter ninguém por perto,
só por um instante me sentir minha.
Não quero uma agenda cheia de compromissos,
horários, quero um momento  para escrever, pensar, ser quem sempre soube que era ...
Quero minha vida escrita por mim mesma,
sem rascunhos ou resumos.
Quero com todas as palavras, vírgulas, mas sem nenhum ponto final
[...]


Ah!


E em todas as vezes que crio uma esperança de um tempo a mais com você,
Caio em mim e vejo que nada disso vai acontecer!
Entro no banho, minhas lágrimas se misturam com a água,
correndo por minha face,
me iludindo, achando que algo um dia vai acontecer.
E te amar em segredo, me iludir sem medo...

Morro a cada dia ....

Liberdade


E definindo a liberdade, a minha liberdade,
liberdade no expressar, no pensar.
Minhas palavras são livres, fortes, densas.
Sou assim, sem máscaras ou personagens,
Limpa e clara, como a neve.
Sou livre para ser quem sou,
pra me assumir pro mundo
com a coragem que nasceu em mim.
Escolhi pra mim quem queria, o que queria, como queria e onde queria e quer saber? 
Eu consegui.
Fui livre, quando decidi fazer de minhas escolhas, a minha vida.
Sou livre por fazer de minha vida o que é,
ser livre é se libertar do velho,
é relembrar o velho,
fazendo um novo começo,
todos os dias.
Sou livre, pois quis ser assim.


Um novo alguém


Tuas palavras me enchem de esperança e vontade que algo aconteça,
Mas não acontecerá.
Você, mulher, linda, interessante,
Só queria te ter ao meu lado, sempre.
Sua presença me faz bem, tuas palavras mexem comigo,
me encantam, você me encanta,
Você.
Interessante a forma como você vê a vida,
Como a vive.
Interessante é conseguir ter, pouco a pouco, você em minha vida.
Interessante é que você consegue mexer comigo e não entrar em minha vida.
Nunca.
Se um dia eu puder, te conquistarei pra mim, se um dia quiser, te levarei pra longe da vida, te levarei pra outro lugar, outro planeta, outra dimensão. Se um dia você quiser, ficarei contigo, acordada, esperando o amanhecer ou o por do sol.
Você me faz sentir bem, sendo quem eu sou, me contradizendo, se contradizendo.
Quero ser quem sou com quem você é.
Mal te conheço, mas pensando bem, nunca vou te conhecer como deveria, você é incompreensível.

Sem Título


Sei lá se já pensei em todas as flores possíveis,
eu acho que sim. 
Mas hoje, sinto falta de pensar tanto,
de me machucar tanto,
com tantas flores por aí.
Flores.
O que seria da vida sem as flores?
E as cores?
Suas cores, meu Deus, me alucinam!
Sinto falta dessas flores, que me marcam,
me magoam, entristecem.
Acho que eu quero, novamente, entregar meu coração...

Nostálgico


Aí, me bate aquela saudade do desconhecido,
Sinto aquela falta de não sei o que,
Meu dia escurece,
Meus lábios estremecem, 
Meus olhos, com a profunda dor que o mundo me causou,
Cai.
E todo aquele sorriso e palavras que saem de mim,
por algum lugar aqui,
foi em vão.

Aí, me bate aquela saudade do desconhecido...

Sem título


Mulher não nasceu pra ser maltratada, pisada,
quem faz uma mulher chorar,
não vale uma lágrima que cai de seu belo rosto,
expressivo, atormentado, delicado.
Ninguém sabe a dor de uma mulher,
Mulher nenhuma sabe que não merece isso,
que precisa de algo melhor.
Ser mulher é ser sensível,
é ser mais,
é ser sempre melhor.

Amor


E teu calor, em meu corpo,
Quente.
Bem quente.
Por cima de mim
Em leves movimentos
Leves toques
Leves palavras e fortes desejos.

Meu sonho


E essa menina de tanta personalidade
que diminui minhas noites,
aumenta meus sonhos,
meus desejos.
Quando me deixa entrar na tua vida,
aproveito cada instante da tua companhia.
E cada vez que eu entro, 
te amo mais e mais.
Você me mudou, completou,
transformou.
E mais uma noite, quero você ao meu lado,
a me beijar,
me acariciar.

Parte de mim


E cada lágrima que cai por ti
É uma parte de mim que escorrega por minha face,
lentamente,
até cair em meu pescoço
e nunca mais voltar ...

Flor


Vem, me deixa te provar esta noite, só esta noite,
me apresentar a você, para conhecer quem realmente sou,
que por trás de tanta máscara, há aqui,
em algum lugar, uma mulher.
Cheia de desejos, vou esperando até a próxima noite
onde encontrarei a flor para minha cama.
Em mais uma noite sem você, um céu mais cinza
e assim sempre será ...
eu acho!

Garganta

E minha garganta, arranhada, engasgada,
com fotos na parede, sem ter muito o que dizer.
Não há o que pensar, sonhar,
só um ruído, bem lá do fundo,
pra baixo da garganta
que hoje, não abriga mais nada.

E se ...

E se um dia eu partir e não quiser mais voltar?
E se eu quiser voltar depois da partida?
E se não quiser a partida?
E se eu não tiver um dia?
E se não houver mais dias, idas, vindas,
E se não houver mais vida?

Menina dos olhos puxados


Olhos puxados, forte, alta, sorridente,
menina dos cabelos pretos,
sorriso exuberante, mãos firmes.
Quando pega em meu quadril, menina de olhos puxados,
arrepia até a alma,
tudo fica mais bonito, colorido. 
Teu perfume, menina, me alucina,
teu jeito de ser, viver, levar a vida,
como fala, entro em tuas palavras,
cada uma delas, entro na tua vida.
Não me peça pra sair dela, menina,
Quero ser sua, só sua, menina.

Em tuas curvas

Naquela noite, em tuas curvas eu fui morar,
busquei um lugar no qual me encaixar,
busquei um sentimento, busquei qualquer coisa, 
só queria me encontrar.
Cada curva de teu corpo me chamou,
me abrigou...
Se eu pudesse me encontrar em tua curva só por mais uma noite,
se eu pudesse conhecer todas as curvas que tens.
Se eu pudesse,
eu iria,
conheceria.
Cada curva, cada gesto, cada palavra sua
não sairia mais de minha mente.
Se eu pudesse ...
Mas eu não posso!

Amor

E eu encontro quem me completa,
Me apaixono todos os dias da vida,
por ti, amanhã por ti, ontem foi por ti,
sempre por ti, pra sempre, pra sempre por ti.
Você me põe no topo da vida, me amando,
me desejando, me deixando te amar como eu te amo.
Nada do que eu tenho vale mais do que te ter ao meu lado,
só peço que ao meu lado permaneça,
que em mim você entre como entra em sua casa,
que esteja aqui dentro enquanto suportar ...
Não quero que vá, que saia daqui, entra e fica como nunca ficou em alguém ...

Moça

Moça, delicada de pele clara, olhos profundos,
mãos leves, que me inspira, me excita,
moça que me deixa sem ação,
sem pensamentos, sem um nada ...
Moça, você é tudo o que eu sempre quis,
é o olhar que eu pedi pra mim,
é o toque que sempre desejei,
minha moça, ainda que não seja minha,
é moça e sempre tem a esperança,
de que essa moça, você, moça, 
será minha ...

Sem título

A verdade é que comigo ou sem mim,
você me inspira com recordações,
com gostos, gestos, 
com lembranças de momentos que nunca tivemos ...

Menina

Espero que tenha voltado a sorrir,
que seu amor tenha voltado pro teu lado.
Menina, que você seja a mais feliz,
que teu sorriso volte a iluminar os dias,
que teu olhar brilhe como nunca
E que nunca mais nenhuma mulher no mundo,
te faça sofrer.
Que seu toque não seja nunca mais deixado,
rejeitado,
abandonado.
E que disso saia um aprendizado,
que faça do teu amor, algo nada idealizado.
Ame, ame e ame mais que qualquer outro amor,
Sorria e se ame, mais que tudo.
Sempre.

Amor da minha vida

Eu só queria que fosse para sempre, que não pudesse ter um fim.
Nosso amor eu sei que é pra sempre, mas não sei até quando poderei te ter ao meu lado.
Jovens demais, tempo demais, mas a vida inteira pela frente.
O destino colabora até hoje, mas o amanhã, como saber?
E pra saber como é viver sem você?
Não quero essa dor, não quero te perder, não quero ficar sem você.
Só que depois da separação, saiba, apenas, que como eu te amo, não amarei mais ninguém ...
Não como amo você!
Mulher da minha vida, pra sempre, mulher, pra sempre da minha vida!

Dores

Por que passar por tanta dor
Por alguém que deveria te amar,
amar incondicionalmente?
E dói, machuca, corrói.
E é difícil dizer o que sinto,
difícil sentir o que sinto.
O fato de não sentir seu amor,
não significa que ele não existe,
mas a dor de não senti-lo é maior que
qualquer dor que poderia existir.
Não entendo a necessidade de tê-lo,
só pra mim assim, doentio, talvez.
É como um vício, mesmo te odiando certas vezes...

Amor, amor, amor, por que preciso do teu amor?

Teu gosto

E eu quero provar logo teu veneno,
me sentir, por dentro e embaixo, incendiar. 
Quero o calor das tuas mãos só para mim
 e só em mim tocar. 
Maciez, 
delicadeza, 
uma mulher, 
dentro de mim.


De dois em dois

Ela era baixa, de óculos e desajeitada, a Outra era bela, sincera e exuberante.
Um dia Ela e a Outra se encontraram e ali se apaixonaram.
A beleza de uma compensava a feiura da outra, elas se completavam e o amor delas era tudo.
Ela era poeta, romântica e sonhadora, a Outra era realista e racional.

Numa noite, a Outra largou Ela porque jan ao precisava Dela para ser completa, sentia-se completa sozinha. Nessa noite, Ela saiu, dançou, cantou, bebeu, beijou, se libertou, e novamente se apaixonou, se transformou.

Agora Ela é a bela, sincera e exuberante e ainda assim é poeta ... E uma Outra, a baixa de óculos e desajeitada e daqui pra frente, até não sabe-se quando, elas se completam e isto é tudo. 

Ela ama como uma poesia, vive como num sonho e assim, define a felicidade.

Voltar pra casa

E novamente tenho que deixar esse lugar ...
Sempre uma dor,
mesmo que uma dor diferente,
um sentimento diferente,
uma vida diferente
em cada despedida.

E a saudade bate forte,
coração aperta,
mas tudo volta pro seu lugar
e começa novamente
quando volto pra casa ...

Abraço

No que tanta dor vai se transformar um dia?
Quando todos os demônios saem de dentro de mim,
desabo.
A chorar, a escrever, a sonhar ...
Assim, nessa hora, só preciso de um abraço,
um gesto,
uma palavra.
Uma mão, pra me levantar,
me acalmar,
me fazer chorar,
chorar,
chorar.
Quero amar!

Culpa

E a culpa vem remoendo tudo o que tem aqui dentro;
meus valores, meu caráter, meu jeito de ser.

E quando a noite chega, não tem ninguém por perto,
a poesia acaba, o vento sopra mais frio, o silêncio e o vazio tomam todo o espaço em mim.

Não há mais nada, mais ninguém,
tudo some, acaba, desaba
Só fica o grande espaço vazio,
aqui dentro,
em mim, novamente.

Sonhos

E mais uma noite com você
Mais uma noite, sem querer,
me vejo aqui,
Parada.
Diante de sua conversa
Dos teus encantos
De tua malicia
E meus pensamentos não calam...
Não me deixam, não me abandonam.
Também não queria que assim fosse...
Cultivo cada sonho e pensamento como se fossem os últimos ...
E são ...
São tudo o que tenho ...
Só o que posso te oferecer!

Sou

Porque eu sou mais que alguém preocupada com estética,
Sou alguém que tem mais que capitalismo
Sou, além de tudo, da terra, 
Sou do além
Sou da guerra
Sou o amor
Sou o que corre pelas suas veias
Sou o ardor de teu sangue, quente
Passando e passando sempre
Indo e vindo
Sou o próprio sangue,
Sou cada batida do seu coração,
Sou seu pulmão,
Sua respiração
Sou o que você precisa
Sou o motivo de sua subversão.

Frio

Noite fria e barulhenta
Sem ter mais o que pedir
Só queria o calor do teu corpo
Me sentir em tuas curvas
Ser só sua, ali, naquele instante!

Roda Gigante

E a Roda gigante não para de girar ...
Tudo começa, novamente, a mudar e a mudar!
O frio na barriga que está pronto pra me atormentar
Não sei se devo, alguma coisa, falar
Ou me silenciar
Esperar.
Esperar.
Até onde ela vai parar
Se um dia vai parar!

Seus olhos

E como eu queria
Parar de me esconder
Por trás de tantos panos
E ser quem eu realmente sou.
Pular em seus braços,
Segurar teus cabelos
Acariciar teu corpo 
Sem o menor pudor.
Saber o que se passa por trás de seus olhos,
que não me dizem nada, apenas me marcam!

Sentimentos

É simples e limpo o que sinto por ela.
É amor e desejo..
É puro e claro
Como o dia, como o sol
Não quero sentir mais nada
Sentimentos só me estragam!
Nada mais importa

É simples e limpo
É puro e claro
Como o dia, como o sol
Ninguém mais se importa
Não mais me interessa

Não preciso de mais nada
Só do que sinto ...
Só dela!

Confusa

E nessa confusão entre sentimentos novos e antigos
Tudo o que eu sei é quero,
só quero ficar comigo
No meu canto
Na minha vida
Na minha bagunça
Minha mudança

Entre meus textos
e meus pensamentos
há um espaço vago ...
Nada mais que um grande buraco vazio
Sem nada pra sentir!
Sem nada para pedir!

[...]

Noite diferente

Noite diferente
Sentimentos diferentes
Algo inesperado
Surpresa,
Senti minha mão passar por teu corpo
Me arrepiei, me excitei
Com esse beijo que eu, 
Apesar de ter dado, 
Nunca esperei.
Não vi a noite o mesmo que via de dia
Te vi transformar.
Teus toques leves,
teu carinho,
o jeito que me pegava
...
Aquilo era tudo naquele momento
Não existia mais nada
Eu não queria mais nada
Não queria te deixar ir
Não queria sair dali
Ficar com você era o mais importante
Não queria que o tempo passasse
Nem que nada mais acontecesse
Me envolvi como nunca antes tinha me envolvido
Senti tuas curvas, mesmo que sejam poucas
Sentia teu suor e teu calor
Segurando suas mãos,
Me senti mais sua
Ali, eu te pertencia 
...
Só não queria mais te deixar
Só quero te ver novamente
Te ter novamente
E ter sempre mais
Fazer parte de você...
Sem medo de me envolver!

Saudades

E a saudade que eu sinto de te ter
Te sentir, como eu não sinto há muito tempo.
Como aquelas noites
Em que tínhamos o todo o tempo só para nós mesmos.
Saudades de cada um daqueles instantes
de cada um daqueles momentos
Sinto falta do seu toque
Das palavras
Dos carinhos
Dos olhares
Da imagem de seu cabelo sobre mim
Do jeito que você me come com o olhar

Sinto falta de ser tua e te sentir completamente minha,
sinto falta do nosso prazer ...

Sem título

Quando eu iria imaginar que suas palavras fariam a diferença
E que nessa brincadeira eu ia acabar deixando você entrar na minha vida 
E ser uma das melhores coisas que já me aconteceu
Sem um toque, sem um beijo, só palavras ...
Palavras me convencem.

Toque

É fácil reconhecer seu toque,
mãos fortes, cheias de personalidade.
Quando me toca, não preciso olhar pra saber que é você.
Quem dará o devido valor a um toque tão alucinante?
Quem te fará sorrir novamente?
Quem terá a honra de seu toque eternamente?

Sorriso

Como descubro quem é a mulher por trás do preto e branco?
Será que vai me deixar entrar nesse sorriso ou ainda esperarei mais um tempo como o passado?
Por que fica tão difícil e me parece tão longe chegar perto de fazer parte de você?
Me deixa chegar mais perto, abre aquele sorriso lindo que poucas vezes presenciei 
Deixe esses olhos pequenos apertadinhos
Coloque sua roupa mais simples
Seja tudo aquilo que você é comigo e sem mim,
Seja real
Faça com que eu me sinta a vontade ao teu lado
Segure minha mão
Deixe-me sentir teu corpo, entrar no teu sorriso e acariciar seu rosto como se fosse, e talvez seja, meu único momento contigo.
Nunca sei o que pensas, o que quer, se terei respostas
Mas cada resposta que tenho é um tremor por dentro,
É um alivio, é um medo.
Mas agora eu quero mais ....
E então, vai, enfim, me dizer como faço pra entrar na tua vida?

Irreal e desconhecido

Ela não anda, flutua com todo seu charme e elegância, de uma jeito que só ela sabe fazer. Vai andando, sorrindo, iluminando por onde passa e encantando quem a vê.
Meiguice e delicadeza não nos traços, no olhar, no flutuar, no modo de tocar.
Não me olha
Não me toca
Me arrepia só de sorrir
Mas seu sorriso não é para mim
Seu sorriso é irreal
É meu desconhecido.

Ma Nuit

Cabelos longos, meio loiros
Olhos marcantes, sempre com rímel.
Um toque forte e sua voz grave.
Teu cheiro me lembra algo que não consigo identificar
E quando fecho meus olhos, me lembro, sem querer do teu sorriso e ainda sinto teu toque em mim, como se fora por agora, ma Nuit.

Mulher que me inspira

Não sei seu nome
Seu sobrenome
O que faz da vida
Como vive sua vida

Mas sei que me inspira
Que te vejo e quero fazer poesia
Que quero dizer-lhe tanta coisa
Quero admirar de perto, bem perto toda sua beleza

Admira tua elegancia
E cada um de seus movimentos
Vira poema
Vira fotografia

Como consegue tal proeza?
É a mais linda e mais delicada das criaturas
Teus olhos encantam
Sua voz, ah! sua voz ...

Quero ouvi-la bem perto
Quero um toque
Um olhar
Um sorriso
Quero sentir toda a essência

Um dia, ainda saberei quem você é?
Mulher da minha vida
Mulher desconhecida
Mulher que me inspira.

Inspiração

Inspirou meus dias,
minhas noites
meus desenhos
cada olhar
cada sorriso

Esses olhos
feitos da água do mar
Me fez um dia repensar
Me fez acreditar

Que tudo vai mudar
E eu mal posso esperar ...

Assim eu queria minha última dança

Assim eu queria minha última dança
Flutuando no palco
Movimentos leves e sinuosos
Amor.
Me envolvendo em teus braços
No calor de suas mãos
Segura e delirante
Paixão.

Assim eu queria minha última dança
Na sutileza de tuas mãos
Em cada toque, o amanhecer
Desejo.
De cada movimento 
Um novo sentimento
E então, os corpos se unem e ...
Prazer.

Assim eu queria minha última dança.

Casamento

Flores mortas
Bolo azedo
Comentários não faltaram

Perdida
Sem rumo
Me vi parada diante do nada

Fui deixada no altar.

Sem título

Senti um ar mais frio que o comum, acordei achando que era real, levantei para fechar a janela
Janela fechada.
Gritei para encontrar companhia
Vazio.

Gritei gritei
Nada.

Núpcias

Toque alucinante


Olhar penetrante

Uma noite de calores

Sexo sem fim, amor sem fim.

O sabor da sua intimidade em minha língua

Que passou por todo o corpo

Sem pudor

Sem medo

E te possuí como nunca antes possuí ninguém

No escuro, em preto e branco

Seus cabelos me alucinam

Teu olhar brilha de tal forma

Não resisto

Quando caio em mim, morro de prazeres

Prazer num ponto alto, não quero mais parar

E no meio de palavrões e demostrações de canibalismo

Sinto teu cheiro

Sinto o amor chegar

Sinto a calmaria do mar em nosso ar

Digo que amo, ouço que amas e então, tudo está bem.

Curvas

Curvas que inspiram meus dias
Curvas que marcam minha noite
Quando, fortemente te seguro em mim
Tudo esquenta

A noite cada vez mais clara
Suor em noite de inverno
Dias ensolarados
Por do sol inesquecível

Você me possui de tal forma
Não tenho saída, nem quero
Sinto teu gosto
Sinto teu cheiro

Em meu corpo habita
Teu cheiro
Como cheiro único
E por mais banhos tomados, o cheiro permanece

Não me falta amor
Me falta pudor
E tudo que eu quero
É o lírio da noite em mim

Cada noite pra gente é uma vida toda
Não há horas, minutos ou segundos
Fazemos amor até o sol nascer

E temos amor até o sol se pôr





Amor



Sem saber o que é o amor, nos apaixonamos, amamos, sofremos por ele, amor não é definição, amor não é algo formado, é algo que nasce, que não sabemos ao certo como é e se realmente existe, mas o tal amor nos incendeia, entra em nossa mente, habita nosso corpo e não sabemos como exorcizá-lo, de certa forma nem o queremos fora... 



Amor



"Eu pensei que tinha solução, doce ilusão, não tenho nada mais que uma enorme solidão ..." 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguardo sua próxima visita!