terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Eu não entendo nenhum tipo de comportamento que não fale o que pensa.
Que seja escondido.
Que me deixe esperar.
Que me deixe enganar.
Me diga o que é preciso e eu sigo a dançar.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

2015 - Isabela Dahab

Desde que ela se foi, a luz no meu quarto não foi mais a mesma.
A luz mudou com ela e agora as cores são bem mais quentes.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Afundo

Sinto-me afogar em novas águas.
Tão profundas como nunca provadas por mim antes.
Água segura.
Me encontro pronta para esse mergulho, mas por enquanto vou me afogando em cada passo e me deliciando com a leveza desse novo mar.
Por estar submersa no mar que sou, não pensei que um novo mar viria tão depressa.
Veio. Flutuo. Afundo. Subo.
Flutuo. Afundo. Subo.
Afundo. Subo.
Subo.
Afundo

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Aquariana

Foi tão por acaso que nos encontramos, mas tão longa a espera pra te ver e te abraçar.
Duas cheias de problemas a resolver e descobrindo mais sobre as batalhas que precisamos passar na vida.
Tanta energia e tanto encanto!
Não entendo ainda como foi te ver, mas gostei demais da tua companhia e quero que o momento de te encontrar novamente chegue logo. Você tem em seu rosto tantos sonhos e em seus olhos muita dor, mas você sorri maravilhosamente ainda sonhando e como não sorrir ao te ver assim?
Eu me lembro bem de quando me pintou e como eu queria te encontrar e te abraçar e aqui estamos.
Você é uma incógnita, mas isso me deixa positivamente ansiosa, pra tentar descobrir o que está por trás de tudo isso. Não sei onde isso vai dar, nem se vai dar em algum lugar, mas eu estou aceitando te ver sempre e enquanto puder te encontrar, lá estarei.

Odoyá! Oke arô!


"Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim
A sua beleza aumenta quando estamos sós
E tão fundo intimamente a tua voz
Segue o mais secreto bailar do meu sonho
Que momentos há em que eu suponho
Seres um milagre criado só pra mim." Já dizia Maria Bethânia.
E pra mim, milagre que ensina a recuperar o controle, perceber os erros, arrumá-los, pedir perdão e perdoar e reaprender todos os dias a caminhar, uns dias em paz e outros nem tanto.
E quando o chão sai dos pés, as lágrimas escorrem sem fim, é só escutar a cantiga do mar e deixar as lagrimas caírem na boca que logo o gosto do sal te lembra quem é que segura tua mão e de onde vem a força pra continuar. Dai-me azul e verde que eu sigo em paz.
Aguardo sua próxima visita!